Rock in Rio é adiado para 2022 no Brasil e em Portugal devido à pandemia

/ Eventos

O Rock in Rio, que aconteceria neste ano entre os meses de setembro e outubro, foi oficialmente adiado para setembro de 2022.

A organização do evento anunciou na última quinta-feira (4), a mudança da data devido à pandemia do coronavírus. O festival agora está marcado para os dias 2, 3, 4, 8, 9, 10 e 11 de setembro de 2022, no Parque Olímpico.

Por meio de nota, os organizadores afirmaram que a esta altura, as montagens das estruturas do festival, tanto no Brasil, quanto em Portugal, já teriam sido iniciadas, mas por conta da pandemia e do aumento dos casos, não é possível iniciar a tarefa.

“Toda esta mudança tem como único objetivo preservar a saúde dos milhares de visitantes que habitam as Cidades do Rock durante os dias de festival”, diz a nota oficial.

Além da edição brasileira, a versão da festa que acontece em Portugal, também foi adiada para o próximo ano, nos dias 18, 19, 25 e 26 de junho. Quem já adquiriu os ingressos para a edição portuguesa, pode pedir reembolso ou reaproveitar o ingresso para a nova data.

Brasil registra 1.786 mortes por Covid em 24 h; média móvel de óbitos bate recorde pelo 6º dia

/ Brasil

O Brasil registrou 1.786 mortes pela Covid-19, nesta quinta-feira (4). Pelo 6º dia consecutivo, o Brasil bateu o recorde de média móvel de óbitos, 1.361.

Nesta quinta, o país completa 43 dias com média móvel de mortes acima de 1.000. O recorde anterior da média é de 1.332. O número de mortes registrado nesta quinta é o segundo mais elevado, atrás somente dos óbitos da última quarta (3), 1.840.

O alto número de mortes é acompanhado por alta contaminação. Foram registrados 74.285, terceiro maior número de toda a pandemia, atrás apenas das 74.376 infecções registradas na última quarta e ao recorde do dia 8 de janeiro, com 84.977 infecções, no qual ocorreu uma revisão de dados do Paraná que elevou artificialmente o dado geral de casos do país.

Dessa forma, o total de mortes chegou a 261.188 e o de casos a 10.796.506, desde o início da pandemia. O Brasil enfrenta o pior momento da pandemia, com situações críticas em todas as regiões do país e até mesmo colapsos em algumas áreas. Os níveis de ocupação de UTIs estão acima de 90% em diversas capitais.

Em nota técnica nesta semana, a Fiocruz alertou sobre o grave e inédito momento do país na pandemia. “Pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Srag [Síndrome Respiratória Aguda Grave], a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais”.

Segundo o boletim, ”os dados são muito preocupantes, mas cabe sublinhar que são somente a ‘ponta do iceberg”.

O consórcio de imprensa também atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 26 estados e o Distrito Federal. O processo de imunização no país avança lentamente ao mesmo tempo em que a pandemia piora.

Foram aplicadas no total 10.135.419 doses de vacina (7.671.525 da primeira dose e 2.463.894 da segunda dose), de acordo com as informações disponibilizadas pelas secretarias de Saúde.

As vacinas disponíveis no Brasil são a Coronavac, do Butantan e da farmacêutica Sinovac, e a Covishield, imunizante da Fiocruz desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca. A vacina da Pfizer tem o registro definitivo, mas ainda não está disponível no país.

O consórcio de veículos de imprensa foi criado em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes.

*Folhapress

Deputado evangélico da Bahia diz que sonhou com Lula morrendo de Covid e é rebatido por colegas

/ Política

Abílio Santana teria se manifestado em rede social. Foto: Facebook

Uma postagem do deputado federal Abílio Santana (PL) no grupo de zap da bancada baiana dizendo que sonhou com o ex-presidente Lula (PT) morrendo de Covid 19 irritou os colegas, que cobraram compostura do parlamentar.

”Dep SOLLA! tive um sonho com o senhor, estávamos em um enterro. era do Luladrão! morria de COVID”, escreveu Abílio, supostamente em resposta a uma postagem agressiva de Jorge Solla (PT) contra o presidente da República.

Solla, entretanto, nem chegou a rebater o parlamentar evangélico porque colegas como Jonguinha Bacelar (PL) e Cláudio Cajado (PP) repreenderam imediatamente o parlamentar evangélico.

”Abílio, não se se foi sonhou ou não, mas não concordo com isso não. No privado, é com vcs, mas aqui, sério mesmo, não dá”, reagiu Cajado.

Jonguinha também não deixou barato: ”Isso é uma bancada de respeito acima de tudo”. O deputado Alex Santana (PDT) ainda tentou defender Abílio, mas ficou isolado, e o próprio deputado acabou recuando.

Alex argumentou que não era apenas Abílio que fazia provocação no grupo, mas havia “farpas para os dois lados” e que não se devia cobrar só do colega compostura.

A partir daí, o evangélico resolveu se defender dizendo que não sonhara com Lula, mas fizera apenas uma brincadeira. Ainda assim, foi mais uma vez censurado por Cajado, que sugeriu que apagasse a mensagem.

”Abílio, mesmo na brincadeira falar de morte num momento desses não é bom não. Respeito sua posição, sua amizade e atenção com todos, mas até para brincar tem momentos e lugar”, observou.

Ainda completou: ”apenas chamei atenção para o excesso. Só isso. Eu apagaria a mensagem”. Evangélico e do baixo clero, Abílio é chegado a atitudes e postagens polêmicas.

No ano passado, distribuiu um cartão de Natal para eleitores em que dizia: ”Papai Noel da Era Bolsonaro; sem vermelho e sem veados”. A iniciativa foi considerada por colegas o cúmulo da homofobia e da adulação a Bolsonaro. As informações são do site Política Livre

Médico do Samu de Salvador diz que pacientes estão morrendo em ambulâncias

/ Saúde

Médico que atua no SAMU, Pedro Julião. Foto: reprodução/Instagram

O médico que atua no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Salvador Pedro Julião desabafou em um vídeo divulgado nas redes sociais na quarta-feira (03) em meio à explosão de casos do novo coronavírus. Na publicação, ele alertou para a falta de vagas em hospitais para pacientes infectados pela doença e afirmou que pessoas estão morrendo dentro de ambulâncias.

”Estamos desde três horas da tarde com um paciente dentro da ambulância com desconforto respiratório, fazendo uso de oxigênio suplementar e máscara não reinalante. Salvador não tem vagas para a gente levar os pacientes. O que eu estou querendo dizer com isso? Por favor, entendam que a situação é gravíssima. Nós chegamos no limite da ocupação dos leitos”, afirmou.

‘Sabemos que hoje a necessidade do isolamento social é muito importante. (…) Eu entendo que os comerciantes, as pessoas que precisam do trabalho informal, precisam levar comida pra casa, mas a gente tem que pensar que a vida humana é muito mais importante do que isso”, completou.

Ainda no vídeo, o profissional falou sobre as medidas de segurança contra a doença tomadas pelo governo do Estado e pela prefeitura. Ele pediu que a população entenda que decretos que impõem lockdown e toque de recolher são de extrema importância para manter o isolamento social, uma das principais formas de evitar o contágio da doença.

”Faça sua parte. A situação é real e precária. Não duvide que hoje não temos vagas para as pessoas nos hospitais, e muitas delas estão falecendo dentro das ambulâncias e na porta das UPAs”, completou.

Conforme o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta pela Secretaria estadual de Saúde (Sesab), a Bahia possui 21.486 casos ativos de coronavírus. Desde o início da pandemia, 700.768 pessoas contraíram a doença e 12.251 morreram.

Ainda de acordo com a Sesab, 84% dos leitos de UTI já estão ocupados em todo estado. Nesta quinta, 337 pessoas aguardavam uma vaga por um leito na Bahia, deste número, 117 pacientes estão em Salvador. A média de espera para uma vaga na capital baiana saiu de até oito horas para 36 a 48 horas. *Bahia.ba