PM atua para fazer cumprir decreto da Prefeitura de Jaguaquara, que fecha bares e restaurantes

/ Jaguaquara

A Prefeitura de Jaguaquara voltou a decretar a restrição do funcionamento de estabelecimentos comerciais, com ações direcionadas aos bares, restaurantes, pizzarias e similares, que só podem funcionar até as 22h, e sem apresentações musicais.

Para o cumprimento da determinação municipal, a Polícia Militar, a Guarda Municipal e a Vigilância Sanitária estão atuando conjuntamente, ordenando o fechamento dos estabelecimentos no horário. Quem descumprir, paga multa, segundo o decreto assinado pela prefeita Edione Agostinone. Na sexta-feira (12), por exemplo, comerciantes disseram que até fotografias era feitas de seus comércios para comprovar o fechamento.

O município contabiliza 3.353 casos confirmados desde o início da pandemia, com 25 óbitos. O número de casos ativos até este sábado é de 174, conforme dados que constam do boletim epidemiológico emitido pela Secretaria Municipal de Saúde.

Jequié confirma mais 1 óbito por Covid e ocupação de UTI permanece em 100%; 5.560 já foram vacinadas

/ Jequié

O boletim do coronavírus de Jequié, atualizado na noite deste sábado (13) pela Prefeitura informa que houve o registro de mais 1 óbito, sendo uma mulher, de 83 anos, residente no Jequiezinho, sem comorbidades, que estava internada no Hospital SAMUR, em Vitória da Conquista, elevando para 213 o número de mortes provocadas pela doença.

Nas últimas 24 horas foram registrados mais 24 novos casos, perfazendo um total de 10.109 pessoas confirmadas com a doença, até agora. 8.483 pacientes encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença.

Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto voltou a atingir 100%. Destes, 18 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 11 leitos ocupados por; pessoas de outros municípios.; Até o presente momento 5.560 pessoas foram imunizadas em Jequié.

Governo Bolsonaro gastou apenas 9% da verba emergencial destinada à vacinação contra Covid

/ Brasil

Da verba emergencial liberada para compra e desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, apenas 9% foi utilizada pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) até o momento, o que aponta para um atraso na vacinação no país. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Bolsonaro assinou três medidas provisórias em agosto, setembro e dezembro para liberar créditos extraordinários que somam R$ 24,5 bilhões. No entanto, até a metade de fevereiro, o país gastou só R$ 2,2 bilhões de fato, segundo dados de execução orçamentária da Câmara dos Deputados (atualizados no último dia 10) e do Ministério da Saúde.

Segundo a reportagem, o cálculo não inclui os pagamentos feitos nesta semana pelas doses de Coronavac, do Instituto Butantan, porque o Ministério da Saúde não informou de onde saiu o dinheiro e ainda não há registros do gasto nos sistemas de execução orçamentária consultados pela reportagem.

O Secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, utilizou as redes sociais, na manhã de hoje (13), para alertar que a vacinação no país caminha a passos ”muito lentos”. Segundo ele, a população ”está sendo enganada pela falsa sensação de uma vacinação arrastada”.

”Nosso grupo fará oposição crítica e construtiva ao governo municipal de Jequié”, diz Antonio Brito

/ Jequié

Antonio Brito faz oposição firme a Zé Cocá. Foto: Rede social

Ao anunciar esta semana a destinação, através de emendas de sua autoria, de recursos da ordem de R$ 5 milhões para obras de pavimentação em ruas de Jequié, a serem executadas pelo governo federal/DNOCS, o deputado federal Antonio Brito, líder nacional do PSD afirmou que o foco do seu mandato continuará sendo cooperar com o município de Jequié. ”Independentemente de sermos oposição à gestão do prefeito Zé Cocá, continuaremos ajudando Jequié”, enfatizou o parlamentar.

Do volume total de recursos, R$ 3 milhões estão sendo direcionados para o bairro Jardim Amaralina, que apresenta um grande déficit no setor de infraestrutura. O deputado deu explicações outro recurso de emenda no valor de R$ 3 milhões, que conseguiu para pavimentação de ruas no bairro São Judas Tadeu, através da Conder/governo do estado, obras iniciadas no ano passado e que foram suspensas, com a justificativa de problemas com a empresa executora da obra.

A previsão feita pelo superintendente do DNOCS na Bahia, Lucas Lobão, ao deputado Antonio Brito, é de que a pavimentação asfáltica seja iniciada no próximo dia 22. Brito destacou na entrevista à Rádio Povo FM, que a orientação da bancada do PSD, formada pelos vereadores Sidney Magal, Moana Meira, João Paulo-JP, San David e do vereador Ivan do Leite (DEM), que está aderindo ao grupo é, ”desenvolver uma oposição crítica e construtiva atuando firmemente para cooperar com a cidade”, afiançou. As informações são do Jequié Repórter

Prefeitura de Jequié terá que reduzir ritmo de vacinação até chegada de novas doses

/ Jequié

Secretária de Saúde, Polliana Leandro. Foto: Divulgação/PMJ

A Prefeitura de Jequié informou que já vacinou 5.560 pessoas, dentro do perfil prioritário de imunização, seguiu, durante toda a semana, um Calendário de Vacinação, atendendo idosos a partir de 85 anos, incluindo moradores da Zona Rural, onde o trabalho de vacinação vem sendo feito por profissionais de saúde pertencentes ao Programa de Agentes Comunitários de Saúde da Zona Rural (PACS/Zona Rural) e vem prestando atendimento, também, na Central de Vacinação, no Terminal Aeroviário Vicente Grilo e de forma volante, com os idosos sendo imunizados em suas residências após a busca ativa dos profissionais do Programa Saúde da Família.

Na sexta-feira, devido à ausência no recebimento de novas doses, através do NRS-Sul, a Secretaria de Saúde decidiu reduzir o ritmo de vacinação, enquanto aguarda a chegada de uma nova remessa de imunizantes. Por conta disso a vacinação no ”drive thru” instalado no Terminal Aeroviário, no bairro Jequiezinho, e a Central de Vacinação, no bairro Campo do América, estará atendendo as pessoas, dentro do perfil de imunização, na segunda e terça-feira, dias 15 e 16, das 8h às 12h.

”A quantidade de vacinas que temos é limitada. Temos uma programação para recebimento de nova remessa, as quais serão utilizadas para a segunda dose dos já vacinados, por isso tivemos que operacionalizar essa redução, enquanto aguardamos nova entrega de vacinas. A vacinação de idosos com idade igual ou superior a 85 anos seguirá normalmente. Informamos que a ampliação para novas faixas etárias está condicionada ao recebimento de novas doses. Pedimos a compreensão de todos neste momento, respeitando as fases e o perfil prioritário para vacinação.”, destacou a secretária de Saúde, Polliana Leandro.

Bahia tem mais de 370 mil pessoas vacinadas contra Covid-19, diz boletim da Sesa

/ Bahia

A Bahia já vacinou 372.098 pessoas até as 15 horas de hoje (13), segundo boletim da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Destes, 5.652 baianos foram vacinados nas últimas 24 horas, com o estado entre os que mais vacinaram até o momento.

Nesta semana, foi iniciada a vacinação de idosos com idades entre 80 e 89 anos em todos os 417 municípios. Até o momento, já foram vacinados 45.183. As doses também foram aplicadas em profissionais de saúde, idosos em instituições de longa permanência, idosos com mais de 90 anos, indígenas aldeados, e pessoas com deficiência.

Em Salvador, após a vacinação ser interrompida por falta de doses, a imunização para idosos com idade igual ou superior a 84 anos começará na próxima segunda-feira (15). O anúncio foi feito pelo secretário de Saúde da capital baiana, Léo Prates.

”Corremos o risco de ter colapso no sistema de saúde”, alerta governador sobre coronavírus na Bahia

/ Bahia

Rui faz alerta após aumento de casos. Foto: Mateus Pereira

Durante a entrega de obras no município de Entre Rios neste sábado (13), o governador Rui Costa fez um alerta sobre a situação da pandemia do coronavírus na Bahia. Ele afirmou que o momento é muito grave e disse que vários hospitais estão com 100% de ocupação dos leitos.

O governador pediu, mais uma vez, para que as pessoas respeitem as medidas contra o vírus e usem máscaras e frisou que ”se continuar esse ritmo de crescimento da doença na Bahia, em duas ou três semanas nós podemos estar pior do que estávamos em julho do ano passado e corremos o risco de ter colapso no sistema de saúde”.

”Infelizmente, depois de novembro, a curva começou a subir, o número de casos voltou a subir. Em novembro, dezembro e o pior, subiu em janeiro. Estamos com vários hospitais nossos com 100% de ocupação dos leitos de Covid. Ou seja, o momento é muito grave e quero pedir a compreensão: nós corremos o risco, se continuarmos nesse ritmo de crescimento da doença na Bahia, em duas ou três semanas, nos poderemos estar pior do que estávamos em julho do ano passado. E corremos o risco de ter colapso no sistema de saúde, o que em nenhum momento nós tivemos desde o início da pandemia. Faço esse apelo: nós estamos chegando no limite da quantidade de leitos possíveis. Tem gente que ou porque cansou ou acha que porque começou a vacinar já pode tirar a máscara. Se sair na rua, usem máscara”, disse o governador.

”Estou sendo afetado por uma briga entre Neto e Rodrigo”, afirma Roma após aceitar ser ministro

/ Política

O novo ministro da Cidadania, João Roma. Foto: Rede social

O novo ministro da Cidadania, o deputado federal João Roma (Republicanos-BA), afirmou que precisava ”cumprir a missão do partido’ de aceitar chefiar a pasta e que está sendo afetado por uma briga entre o presidente do DEM, ACM Neto, seu aliado e amigo, e o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
ACM Neto chegou a pedir que Roma não aceitasse o convite para o ministério com a intenção de se manter distante do governo Bolsonaro.

”Ele [ ACM Neto] está aborrecido com minha decisão. Estou sendo afetado por uma briga entre Neto e Rodrigo. Eu precisava cumprir a missão do meu partido”, disse Roma à coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo.

”A missão é muito grande. É uma oportunidade de ajudar muita gente. A missão desse ministério é não deixar ninguém para trás e ajudar aqueles que precisam. E é a isso que vou me dedicar”, ressaltou Roma.

Após a nomeação de João Roma, ACM Neto, divulgou uma nota lamentando que o aliado tenha aceitado o convite do presidente Jair Bolsonaro, de quem o ex-prefeito de Salvador tenta descolar sua imagem, mas recebe uma chuva de críticas pelo apoio do DEM ao presidente da Câmara, Arthur Lira, do PP, que foi o candidato escolhido por Bolsonaro.

Maia diz que nomeação de aliado de ACM ”mostra o tamanho do seu caráter”

ACM Neto negou ter indicado João Roma para o Ministério da Cidadania e se disse ‘surpreendido’ com a nomeação por Bolsonaro. Roma foi chefe de gabinete de ACM Neto na Prefeitura de Salvador

”João Roma será um grande ministro. Mas Neto mostra o tamanho do seu caráter”, disse Maia, se referindo a ACM Neto. Ao jornal Valor Econômico, Maia disse que o presidente do DEM entregou o partido ”numa bandeja ao Palácio do Planalto” e ameaça sair da legenda, após parte da bancada ter abandonado o seu candidato à presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP), para apoiar o candidato de Jair Bolsonaro, Arthur Lira (PP-AL).

Jair Bolsonaro altera decretos para desburocratizar e ampliar acesso a armas e munições

/ Brasil

O presidente Jair Bolsonaro alterou quatro decretos federais com o objetivo de desburocratizar e ampliar o acesso a armas de fogo e munições no país. As medidas foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta sexta-feira (12). Todas elas regulamentam o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.823/2003).

Uma das mudanças, no Decreto 9.845/2019, permite que profissionais com direito a porte de armas, como Forças Armadas, polícias e membros da magistratura e do Ministério Público, possam adquirir até seis armas de uso restrito. Antes, esse limite era de quatro armas.

O Decreto 9.846/2019 foi atualizado para permitir que atiradores possam adquirir até 60 armas e caçadores, até 30, sendo exigida autorização do Exército somente quando essas quantidades forem superadas. A medida também eleva a quantidade de munições que podem ser adquiridas por essas categorias, que passam a ser 2.000 para armas de uso restrito e 5.000 para armas de uso permitido.

”A justificativa para este aumento é que os calibres restritos ainda são muito utilizados pelos atiradores e caçadores, nas competições com armas longas raiadas, assim como nas atividades de caça. Um competidor facilmente realiza 500 tiros por mês, somente em treinamentos, de modo que as 1.000 unidades de munição e insumos para recarga atualmente previstas não são suficientes nem para participar do Campeonato Brasileiro, que são 10 etapas ao longo do ano”, disse o Palácio do Planalto, em nota para divulgar as mudanças.

O decreto garante aos chamados CACs, que são caçadores, atiradores e colecionadores, o direito de transportar as armas utilizadas, por exemplo, em treinamentos, exposições e competições, por qualquer itinerário entre o local da guarda e o local da realização destes eventos.

O presidente também modificou o Decreto 9.847/2019, que regulamenta o porte de arma de fogo, para permitir, por exemplo, que profissionais com armas registradas no Exército possam usá-las na aplicação dos testes necessários à emissão de laudos de capacidade técnica. A medida também estabelece, entre outras mudanças, novos parâmetros para a análise do pedido de concessão de porte de armas, ”cabendo à autoridade pública levar em consideração as circunstâncias fáticas do caso, as atividades exercidas e os critérios pessoais descritos pelo requerente, sobretudo aqueles que demonstrem risco à sua vida ou integridade física, e justificar eventual indeferimento”.

Por fim, Bolsonaro atualizou o Decreto 10.030/2019 para desclassificar alguns armamentos como Produtos Controlados pelo Exército (PCEs), dispensar da necessidade de registro no Exército para comerciantes de armas de pressão (como armas de chumbinho), a regulamentação da  atividade dos praticantes de tiro recreativo e a possibilidade da Receita Federal e dos CACs solicitarem autorização para importação de armas de fogo e munição.

O decreto ainda estabelece atribuição clara da competência do Exército para regulamentar a atividade das escolas de tiro e do instrutor de tiro desportivo, e autoriza ainda o colecionamento de armas semiautomáticas de uso restrito e automáticas com mais de 40 anos de fabricação.

”Percebe-se, assim, que o pacote de alterações dos decretos de armas compreende um conjunto de medidas que, em última análise, visam materializar o direito que as pessoas autorizadas pela lei têm à aquisição e ao porte de armas de fogo e ao exercício da atividade de colecionador, atirador e caçador, nos espaços e limites permitidos pela lei”, enfatizou o Palácio do Planalto, em nota.

Na manhã deste sábado (13), o presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para divulgar os decretos publicados no Diário Oficial da União e voltou a defender o direito de armamento das pessoas. ”Em 2005, via referendo, o povo decidiu pelo direito às armas e pela legítima defesa”, escreveu.

Trânsito flui lentamente na Serra do Mutum, entre Jaguaquara e Jequié, com obras da Via Bahia

/ Trânsito

Obras exigem atenção na Serra do Mutum. Foto: Blog Marcos Frahm

Em decorrência das obras, serviço de recuperação profunda do pavimento e alargamento na BR-116 o trânsito na ”Serra do Mutum”, entre Jaguaquara e Jequié flui lentamente, inclusive com operação Pare/Siga em alguns pontos; ou seja, apenas em uma via de cada sentido. Os motoristas precisam redobrar os cuidados. No Mutum, cones, maquinas e homens sinalizam obras.

As intervenções são realizadas pela Concessionária Via Bahia, que administram a Rodovia Santos Dumont. As obras consistem em recuperação da estrada e melhoria na sinalização, segundo informações da concessionária.

Por causa da maré baixa, travessia Salvador-Mar Grande faz parada neste sábado

/ Bahia

Imagem das lanchas que fazem a travessia. Foto: Maiana Belo/G1 Bahia

A travessia de lanchas entre Salvador e Mar Grande, na Ilha de Itaparica, será suspensa às 9h deste sábado(12), por causa da maré baixa prolongada, que impede a atracação de embarcações em Vera Cruz. Saindo de Mar Grande, o serviço será retomado às 11h.

As informações são da Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab). Ainda segundo a Astramab, as viagens noturnas partindo de Salvador não terão horário alterado por causa da maré baixa, com isso travessias serão realizadas de Salvador para Mar Grande às 19h30 e às 20h. A última saída de Mar Grande também será normal, às 18h30.

A travessia marítima do sistema Salvador-Mar Grande registra movimento moderado de embarque nos terminais na manhã deste sábado, com oito embarcações em tráfego.

A associação ainda destacou que, quando o movimento de passageiros aumenta, a travessia abre horários extras, com saídas a cada 15 minutos.

Morro de São Paulo

Com procura muito boa pelos turistas, a travessia Salvador-Morro de São Paulo tem neste sábado saídas do Terminal Náutico programadas para as 8h30, 9h, 10h30, 13h e 14h30. De Morro de São Paulo, as saídas ocorrem às 9h, 11h30, 13h, 14h30 e 15h.

As passagens são vendidas nos guichês das concessionárias, no Terminal Náutico. O bilhete custa R$ 113. A viagem direta de catamarã é feita em tempo médio de 2h20.

Também operam com grande procura neste sábado as escunas de turismo que fazem o passeio pelas ilhas da Baía de Todos-os-Santos. Elas começam a sair às 9h do Terminal Naútico da Bahia e o retorno é programado para as 17h30. No percurso do tour, são feitas paradas na Ilha dos Frades e em Itaparica. A tarifa é R$ 60. Informações do G1

Fiocruz identifica variante P.1 do ”coronavírus” em mais cinco estados do Brasil

/ Brasil

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) já encontraram a variante P.1 do novo coronavírus (covid-19), descrita pela primeira vez no Amazonas, em mais cinco estados: Pará, Paraíba, Roraima, Santa Catarina e São Paulo, segundo nota divulgada hoje pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC). Casos provocados pela nova variante P.1 também já foram confirmados pelas secretarias estaduais de Saúde da Bahia, do Ceará e de Pernambuco.

Até o momento, não há dados que relacionem essa variante a quadros mais graves da covid-19, porém as mutações identificadas nela são semelhantes às das variantes encontradas no Reino Unido e na África do Sul, e têm potencial de facilitar a transmissão.

No texto divulgado hoje (12) pelo instituto, a pesquisadora Paola Cristina Resende ressalta que ”é importante lembrar que as linhagens P.1 e P.2 já foram associadas a casos de reinfecção no país. Por isso, é fundamental a continuidade das medidas de prevenção, como a utilização de máscara de proteção, a higienização frequente das mãos e evitar aglomerações”.

Em todo o país, especialistas da Rede Genômica Fiocruz integram um esforço que já sequenciou quase 3,6 mil amostras coletadas no Brasil, sendo 1.035 em São Paulo, 726 no Rio de Janeiro, 340 no Amazonas, 306 Rio Grande do Sul, 167 na Paraíba, 150 em Pernambuco e as demais em outros estados.

Um balanço desse trabalho aponta que mais de 60 linhagens do vírus já foram encontradas no país, porém predominam a B.1.1.33 e a B.1.1.28, que circulam no Brasil desde março. O surgimento de linhagens diversas é um processo comum nos vírus, e, na maior parte dos casos, as mudanças implicam pequenas diferenças no material genético.

Foi a B.1.1.28 que, após mutações, deu origem à variante P.1, encontrada no Amazonas, e à P.2, descrita pela primeira vez no Rio de Janeiro. Ambas são consideradas ”variantes de preocupação” e apresentam modificações na proteína spike, estrutura do vírus que se conecta às células humanas. No caso da P.1, há três mutações relacionadas à proteína (K417N, E484K e N501Y), e, na P.2, uma mutação (E484K).

No Amazonas, a variante P.1 foi apontada como a causadora de 91% dos casos da covid-19 que tiveram seu material genético sequenciado em janeiro. A variante se tornou a dominante no estado, tomando o lugar da B.1.1.28.

De forma semelhante, a variante P.2 também tem ampliado sua presença no Rio de Janeiro, que antes tinha predomínio da B.1.1.33. A nova variante também já foi identificada em outros estados, como em Rondônia, segundo pesquisa divulgada na quarta-feira (10) por pesquisadores da Fiocruz no estado.

Entre os objetivos dos pesquisadores estão entender a dispersão das linhagens do coronavírus no território nacional e identificar se as mutações recém descritas podem afetar a resposta induzida pelas vacinas.

Em nota publicada na quarta-feira pela Fiocruz Rondônia, o infectologista Juan Miguel Villalobos-Salcedo destacou a necessidade de conter a circulação do vírus. ”Quanto mais casos ativos tivermos em uma população, mais chances nós temos de propagar a doença e, consequentemente, mais possibilidades teremos de provocar novas mutações do vírus”.