O clima é de política em Jequié, mas o vírus segue infectando e prefeitura confirma novos casos

/ Jequié

Taxa de ocupação de UTI é de 72,41%%. Foto: Blog Marcos Frahm

Em Jequié, apesar das restrições, o clima na Cidade Sol é de campanha política eleitoral, com movimentações nas vias públicas de postulantes a cargos eletivos. Mas o coronavírus segue infectando.

Nesta sexta-feira (9), através de boletim epidemiológico, a Prefeitura informou que houve o registro de mais 15 novos casos da doença, perfazendo um total de 5.887 pessoas confirmadas com a doença, até agora.

Mais 18 pessoas tiveram alta, sendo liberadas para suas atividades, contabilizando 5.552 pacientes que encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença. Os que estão em quarentena somam 467 pessoas. Desde o início da pandemia, foram registrado 143 óbitos.

Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto é de 72,41%%. Destes, 9 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 12 leitos ocupados por pessoas de outros municípios.

Jequié anuncia mais três contratações para estreia na Série B do Campeonato Baiano

/ Esporte

Jequié estreia no baiano no dia 25 de outubro. Foto: Stúdio V6

Além do atacante Rodrigo Souza, emprestado pelo Vitória, o Jequié anunciou mais três contratações para a Série B do Baiano. O Jipão acertou os empréstimos dos volantes Matheus Chaves e Vítor Garcia, e fechou com o meia-atacante Elenilson. De acordo com o diretor de futebol George Ramos, com essas novidades o elenco está definido para a estreia na competição estadual que será no dia 25 de outubro, um domingo, às 15h, contra o Colo-Colo, como mandante.

”Fizemos essas contratações para fechar o elenco visando a nossa estreia no Campeonato Baiano. São jogadores que vão nos ajudar bastante. A chegada deles fortalece ainda mais a nossa equipe”, afirmou.

Aos 28 anos, Elenilson estava no Palmas onde atuou em nove partidas e marcou um gol pelo Campeonato do Tocantins nesta temporada. Ele começou a carreira nas divisões de base do Vitória e tem experiência no futebol baiano por ter defendido o Olímpia, Galícia, Jacobina, Jacuipense e Bahia de Feira. Além disso, ainda acumula passagens pelo Rio Branco-AC, Cascavel, pelo Igrejinha-RS e pelo português Covilhã. Já Matheus Chaves, de 22, chega emprestado pelo Olímpia. Ele também atuou no time sub-23 do Bahia que disputava o Campeonato Baiano até a paralisação do futebol pela pandemia do coronavírus. Enquanto Vítor Garcia, 27, foi emprestado pelo Frei Paulistano, de Sergipe, que disputa a Série D do Brasileiro. Pela equipe sergipana, ele também jogou a Copa do Nordeste e o estadual deste ano.

JOVENS DA BASE EFETIVADOS
Além das contratações, o Jequié ainda reforçou seu elenco principal efetivando três jogadores das divisões de base. O zagueiro Wesley Correia, o volante Natan Barreto e o atacante Felipe Santos vão integrar a equipe do técnico Paulo Sales na disputa da Série B estadual. O presidente do Jipão, o deputado federal Leur Lomanto Júnior (DEM) comentou a efetivação dos jovens valores.

”Eles iniciaram no sub-17 da ADJ. São meninos que se destacaram e estamos valorizando isso, são patrimônio do clube. Aos poucos a gente vai organizando e fortalecendo a nossa base”, destacou.

Estado prorroga até 25 de outubro decreto que proíbe aulas e eventos na Bahia

/ Bahia

Aulas continuam suspensas na Bahia. Foto: Luiz Carrera.

O decreto estadual nº 19.586, que venceria na segunda-feira (12), determinando a proibição das aulas nas unidades de ensino das redes pública e privada e eventos com mais de 100 pessoas, ficará em vigor até o dia 25 de outubro.

A prorrogação será publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado (10). O decreto proíbe as atividades que envolvem aglomeração de pessoas, como shows, feiras, apresentações circenses, eventos científicos, passeatas, bem como abertura e funcionamento de zoológicos, museus, teatros, dentre outros.

Marquinho Viana condena proposta do PP de aprovar reeleição na Assembleia Legislativa

/ Bahia

O deputado estadual Marquinho Viana, do PSB, criticou hoje a proposta do PP de aprovar a PEC da reeleição na Assembleia Legislativa, o que permitiria que o presidente Nelson Leal, do partido, se recandidatasse.

”Ninguém quer mais saber de reeleição na Assembleia. O Poder precisa ser compartilhado, não cabe mais um único grupo político mandar”, afirmou Marquinho, segundo o site Política Livre.

Segundo ele, foi exatamente para impedir que se use o orçamento de um Poder que é do povo em benefício de grupos políticos que a reeleição foi extinta, o que, ”há apenas dois anos”, foi apoiado por todos.

Ele também contestou a tese do PP de que Nelson mereceria um  segundo mandato porque sua gestão, primeiro, se dedicou ao saneamento da Casa, e depois foi colhida pela pandemia do novo coronavírus.

”A Assembleia não é um Poder Executivo, para fazer prédios, obras. O se precisa é de estrutura para trabalhar pelo povo”, afirmou,  garantindo que houve um acordo pelo qual a vez de disputar a presidência seria do PSD.

”O vice-governador João Leão disse que não foi feito o acordo, mas foi e, se ele não estava presente, concordou, não o contestou na época”, declarou.

 

Bahia registra 1.412 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, diz boletim da Sesab

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.412 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,4%) e 1.455 curados (+0,5%). Dos 323.210 casos confirmados desde o início da pandemia, 309.324 já são considerados curados e 6.811 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (27,34%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (7.040,23), Almadina (6.551,98), Itabuna (6.207,59), Madre de Deus (6.205,85), São José da Vitória (5.568,32).

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 649.926 casos descartados e 80.673 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta sexta-feira (9).

Na Bahia, 26.874 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Óbitos
O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 26 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.075, representando uma letalidade de 2,19%. Dentre os óbitos, 55,90% ocorreram no sexo masculino e 44,10% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 53,98% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,41%, preta com 15,14%, amarela com 0,79%, indígena com 0,11% e não há informação em 12,57% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 72,13%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (75,27%).

Governo da Bahia decreta situação de emergência em 73 municípios atingidos por incêndios florestais

/ Bahia

Neste sábado (10), será publicado no Diário Oficial do Estado, decreto que classifica Situação de Emergência em 73 municípios atingidos pelos incêndios florestais. Os municípios estão situados nos Territórios de Identidade Bacia do Paramirim, Bacia do Rio Corrente, Bacia do Rio Grande, Chapada Diamantina e Velho Chico. O decreto entra em vigor, a partir da sua publicação e tem vigência de 90 dias.

Dos 73 municípios com situação de emergência decretada pela Superintendência de Defesa Civil do Estado, 30 já foram atingidos pelo fogo. O decreto suspende nessas áreas quaisquer atividades capazes de produzir risco potencial de geração de novos focos de incêndio e visa também amenizar os impactos negativos na saúde da população, no meio ambiente e na economia local.

Nesta sexta (9), em visita ao município de Itaberaba, na região da Chapada, o governador Rui Costa disse que Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Polícia Militar estão trabalhando nas áreas atingidas, utilizando aeronaves, inclusive avião de combate a incêndio. “Temos focos de incêndio em vários lugares do estado. Temos equipes reforçadas no Oeste e na Chapada. Infelizmente, o sol e a seca, às vezes também com imprudência e às vezes com má-fé das pessoas, terminam provocando esses incêndios”, disse o governador, reforçando que o Estado está usando todo material humano disponível e equipamentos para debelar o fogo.

Com o combate em campo dos bombeiros florestais e brigadistas voluntários, que tiveram o suporte do Programa Bahia Sem Fogo, por meio do envio de aviões do tipo Air Tractor, os incêndios florestais nos municípios de Barra e Barreiras, na região Oeste do Estado, foram controlados. O combate na Chapada conta com cinco aviões fazendo o lançamento de água diretamente no fogo, e um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar da Bahia (Graer). Mais bombeiros especialistas já foram convocados e vão somar aos que já estão no combate, totalizando 30 militares. Ainda atuam na Chapada os esquadrões do ICMBio, PrevFogo, diversos brigadistas e técnicos do Inema.

Tradicionais aliados em corridas eleitorais, PT e PCdoB disputam Prefeitura de Santa Inês

/ Eleições 2020

Hemerson (PT) enfrenta Júnior (PT). Fotomontagem: BMFrahm

Tradicionais aliados em corridas eleitorais, em âmbitos municipal, estadual e nacional, o PT e o PCdoB vão estar em lados opostos na disputa pela Prefeitura de Santa Inês, no Vale do Jiquiriçá.

O atual prefeito do município, professor Hemerson Novais Eloi, eleito no PT em 2016, tentará a reeleição pela mesma sigla partidária. Representando a ”Coligação Pra Santa Inês Continuar Avançando”, Hemerson não repetirá a chapa do pleito anterior, quando teve como vice o médico Fábio Quintão (PRB). Depois que ambos assumiram os respectivos cargos, romperam.

Para a sucessão 2020 o petista escolheu o também professor, Erivaldo Santana (PSB), que inclusive atuou no início da atual gestão municipal como secretário de Cultura, tendo sido exonerado posteriormente, estava exercendo a função de pedagogo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e, nas últimas eleições, foi um dos apoiadores de Hemerson e era considerado crítico ferrenho e opositor do governo anterior nas redes sociais, representado à época pelo então prefeito Zé Afrânio (PCdoB) – in memoriam, que teria desistido de disputar reeleição.

Já o Partido Comunista do Brasil, que em 2016 chegou a fazer aliança com o PT em apoio a Hemerson, tem como candidato a prefeito pela Coligação ”Governando com o Povo”, José Castro Mendonça Júnior, filho do militante e líder local da legenda, Castro Mendonça. Júnior de Valdélia, como é popularmente conhecido, apesar de defender o projeto do professor, quando o grupo unido venceu o então candidato do MDB, Renê Rotondano, declarou guerra ao ex-aliado e passou a fazer denúncias contra a gestão, com aparições frequentes em vídeos, cujos conteúdos reforçavam suas pretensões polícias  e agora ele confirmou seu ingresso na briga pelo poder. Como candidato a vice, escolheu o médico e ex-prefeito Emerson Amaral de Almeida, do Democratas.

Interlocutores dos dois partidos, PT e PCdoB, questionados pelo Blog Marcos Frahm, garantem que não há nenhum mal-estar entre as siglas a nível estadual e que a disputa é local. O professor é correligionário do deputado federal Jorge Solla e Júnior tem o apoio de Alice Portugal. Santa Inês tem 8.471 eleitores aptos a votar.

Ministério da Educação vai prorrogar o prazo para inscrições em vagas remanescentes do Fies

/ Educação

O Ministério da Educação (MEC) vai prorrogar o prazo para inscrições em vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2020. De acordo com comunicado na página do Fies na internet, a alta procura pelas inscrições ocasionaram sobrecarga e instabilidade no sistema. O processo está suspenso e um novo cronograma será divulgado em edital específico.

As inscrições começaram na última segunda-feira (6) e, segundo o comunicado, quem já se inscreveu não será prejudicado. A ampliação do prazo será proporcional ao tempo em que a plataforma ficou indisponível para os candidatos.

Os três primeiros dias de inscrições (6 a 8/10), estavam reservados para a oferta exclusiva de vagas para os cursos prioritários, como os da área de saúde, engenharias, licenciaturas e ciência da computação. Os candidatos não matriculados em uma instituição de ensino superior poderiam se inscrever até 13 de outubro. E aqueles já matriculados teriam prazo até o dia 13 de novembro para realizar suas inscrições.

As vagas remanescentes são aquelas que não foram ocupadas no decorrer do processo seletivo regular, por desistência dos candidatos pré-selecionados ou falta de documentação na contratação do financiamento, por exemplo. Nessa etapa, estão sendo ofertadas 50 mil vagas.

O processo de ocupação das vagas remanescentes é diferente dos processos regulares de seleção do Fies e ocorrerá de acordo com a ordem de conclusão das inscrições. Por essa razão, o MEC alerta que o candidato que precisar alterar alguma informação na inscrição já concluída no sistema deve ficar atento porque terá que cancelá-la para depois realizar uma nova inscrição. Dessa forma, a mesma vaga escolhida anteriormente poderá ser ocupada por outro candidato que tiver concluído a inscrição antes.

Para se inscrever, é necessário ter participado de uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a partir de 2010, ter obtido no mínimo 450 pontos na média das cinco provas do exame e não ter zerado a prova de redação. O interessado precisa ainda ter renda mensal bruta de até três salários mínimos por pessoa da família.

O Fies é o programa do governo federal que tem o objetivo de facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

Safadão sai na defesa dos artistas, pede volta dos shows: ”todos precisam ajudar as suas famílias”

/ Entretenimento

Safadão apela pela volta dos shows

O cantor Wesley Safadão fez um apelo pela volta dos shows no Brasil. Em um vídeo divulgado no Instagram, na quarta-feira (07), o artista afirmou que várias classes estão prejudicadas pela proibição dos eventos. Por causa da pandemia do novo coronavírus, apenas shows no formato drive-in podem ser realizados.

”Todos precisam dos seus trabalhos, todos precisam ajudar as suas famílias, todos precisam voltar a sonhar. É uma questão de dignidade”, disse o artista.

Em entrevista ao colunista do Metrópoles, Leo Dias, ele ressaltou a importância de respeitar as medidas de segurança orientadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas criticou as medidas de relaxamento. Para o cantor, outros locais suscetíveis à aglomeração foram priorizados, enquanto os eventos não podem acontecer.

Eleições 2020: mais da metade dos prefeitos tentarão reeleição, diz levantamento da CNM

/ Eleições 2020

Dos 5.568 municípios que escolherão prefeitos nas eleições deste ano, em 3.383 (61% do total) os atuais gestores concorrerão à reeleição. Outros 1.015 prefeitos poderiam concorrer por estar no primeiro mandato, mas desistiram de tentar um novo mandato. Os dados fazem parte de levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM). 

O primeiro turno nas eleições será realizado no dia 25 de outubro e o segundo turno, no dia 29 de novembro. As datas originais eram 4 de outubro e 25 de outubro, mas foram adiadas pelo Congresso Nacional por causa da pandemia de covid-19.

Ao todo, 19.164 candidatos concorrerão ao cargo de prefeito. Dos atuais prefeitos, 4.398 (79%) estão em seu primeiro mandato e poderiam concorrer a um novo período, mas 1.015 desistiram.

O levantamento mostra que o percentual de candidatos à reeleição caiu após um período de estabilidade. Em 2016, dos 2.407 candidatos à reeleição, 1.191 se reelegeram (49,48%). Em 2012, dos 2.418 que tentaram a reeleição, 1.512 se reelegeram (62,53%). Na eleição anterior, em 2008, 3.361 prefeitos buscaram a reeleição e desses, 2.101 voltaram ao cargo (62,51%).

Nesses 3.383 municípios onde haverá disputa por reeleição, os candidatos estarão concorrendo aos votos de 88,3 milhões de eleitores. A soma da população dessas cidades é de 123,3 milhões de pessoas.

“Isso demonstra que, em uma parcela bastante significativa do Brasil, os atuais gestores colocam de novo o seu nome na disputa por entender que fizeram uma boa gestão. Temos que aguardar os resultados para saber se essas candidaturas terão êxito”, diz a confederação.

Capitais

Os prefeitos de 13 capitais brasileiras tentarão a reeleição. Doze estão no segundo mandato e não podem disputar um novo pleito. O prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), anunciou em agosto que não disputará a reeleição e deixará a vida política após 62 anos de vida pública. Da Agência Brasil