Após 30 dias de internamento com a Covid-19 médico José Roberto Cabral recebe alta

/ Jequié

Após 30 dias internado na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital Santa Helena, em Jequié,  [uma das unidades hospitalares onde trabalha], o médico cardiologista recebeu alta e ao deixar o hospital foi cumprimentado por membros da equipe de saúde e agradeceu o empenho que lhe foi dedicado.

Durante o mês de internamento Dr. Cabral alternou momentos de maior gravidade, mas conseguiu suportar até atingir o restabelecimento.

Jequié registra o 24º óbito por covid; mulher de 58 anos estava internada no Prado Valadares

/ Jequié

Taxa de ocupação no HGPV é 47,4%. Foto: Blog Marcos Frahm

A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Saúde, apresentou, na noite deste sábado (20), o novo boletim epidemiológico do coronavírus, atualizado às 19h, que registrou mais um óbito, sendo uma mulher, de 58 anos, portadora de diabetes e hipertensão arterial sistêmica, moradora do bairro Espírito Santo, que estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Geral Prado Valadares.

O boletim trouxe, também, o registro de mais 35 pessoas confirmadas com a doença, perfazendo um total de 706 casos positivos. Destes, 301 foram diagnosticados por meio do método laboratorial RT-PCR. 415 pacientes encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença. Os que estão em quarentena somam 1456 pessoas.

O boletim conta com os dados encaminhados pelo Hospital Geral Prado Valadares (HGPV) relativos a ocupação de adultos nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Até às 12h a taxa de ocupação era de 47,4%.

Boletim epidemiológico: Bahia registra 1.382 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.382 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +3,1%), 45 óbitos (+3,4%) e 1.102 curados (+5,4%). Dos 45.304 casos confirmados desde o início da pandemia, 21.691 já são considerados curados, 22.263 encontram-se ativos e 1.350 tiveram óbito confirmado.

As confirmações ocorreram em 358 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (51,74%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ipiaú (1.146,64), Itajuípe (1.044,36), Uruçuca (1.042,94), São José da Vitória (1.007,60) e Gandu (851,77).

Na oportunidade, a tabela de casos ativos do boletim epidemiológico de ontem (19) deve ser desconsiderada. Houve um erro de cálculo exclusivamente nesta tabela devido uma instabilidade no sistema e-SUS e a solicitação do Ministério da Saúde para o retorno do cálculo de incidência para 100 mil habitantes ao invés de 1 milhão, revertendo, portando, a orientação do próprio ministério. O problema foi identificado e sanado no boletim de hoje.

O boletim epidemiológico contabiliza neste sábado (20) 45.304 casos confirmados, 92.748 casos descartados e 102.400 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas.

Na Bahia, 6.141 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui.

Taxa de ocupação

Na Bahia, dos 2.158 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para coronavírus, 1.292 possuem pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 60% No que se refere aos leitos de UTI adulto e pediátrico, dos 893 leitos exclusivos para o coronavírus, 667 possuem pacientes internados, compreendendo uma taxa de ocupação de 75%.

Cabe ressaltar que o número de leitos é flutuante, representando o quantitativo exato de vagas disponíveis no dia. Intercorrências com equipamentos, rede de gases ou equipes incompletas, por exemplo, inviabilizam a disponibilidade do leito. Ressalte-se que novos leitos são abertos progressivamente mediante o aumento da demanda.

Óbitos

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contabiliza 1.350 mortes pelo novo coronavírus.

1306º óbito – mulher, 89 anos, residente em Salvador, portadora de doença cardiovascular. Internada dia 28/05, veio a óbito dia 05/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1307º óbito – mulher, 78 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial, diabetes mellitus e obesidade. Internada dia 02/06, veio a óbito dia 14/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1308º óbito – homem, 46 anos, residente em Cícero Dantas, sem informação acerca de comorbidades. Também sem informação sobre a data da internação, veio a óbito dia 28/05, em hospital da rede pública, em Salvador;

1309º óbito – mulher, 86 anos, residente em Salvador, portadora de neoplasias. Internada dia 03/06, veio a óbito dia 15/06, em hospital da rede particular, em Salvador.

1310º óbito – homem, 76 anos, residente em Itabuna, sem informação acerca de comorbidades. Também sem informação sobre a data da internação, veio a óbito dia 14/06, em unidade da rede pública, em Itabuna;

1311º óbito – homem, 76 anos, residente em Cruz das Almas, portador de doença renal crônica. Internado dia 19/05, veio a óbito dia 16/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1312º óbito – homem, 72 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus, doença cardiovascular e obesidade. Internado dia 03/06, veio a óbito dia 18/06, em hospital militar, em Salvador;

1313º óbito – homem, 72 anos, residente em Salvador, portador de doença cardiovascular. Internado dia 21/05, veio a óbito em hospital da rede pública, em Salvador;

1314º óbito – homem, 82 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus e doença cardiovascular. Internado em 18/06, veio a óbito no mesmo dia, em hospital da rede particular, em Salvador;

1315º óbito – mulher, 84 anos, residente em Salvador, sem comorbidades. Sem informações acerca da data de internação, veio a óbito dia 10/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1316º óbito – mulher, 81 anos, residente em Sobradinho, portadora de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Sem informações acerca da data de internação, veio a óbito dia 10/06, em hospital da rede particular, em Remanso;

1317º óbito – homem, 76 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus e imunodeficiência. Internado dia 01/06, veio a óbito dia 17/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1318º óbito – criança (sexo feminino), oito anos, residente em Itabuna, sem informações acerca de comorbidades. Veio a óbito dia 02/06, em seu domicílio, em Itabuna;

1319º óbito – mulher, 40 anos, residente em Itabuna, portadora de doença renal crônica. Sem informações acerca da data de internação, veio a óbito dia 15/06, em hospital filantrópico, em Itabuna;

1320º óbito – homem, 48 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus e doença cardiovascular. Internado dia 15/06, veio a óbito dia 16/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1321º óbito – homem, 68 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus, doença cardiovascular e obesidade. Internado em 22/05, veio a óbito 16/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1322º óbito – mulher, 73 anos, residente em Salvador, portadora de diabetes mellitus e hipertensão arterial. Internada dia 14/05, veio a óbito dia 15/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1323º óbito – homem, 83 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, diabetes mellitus, doença do sistema nervoso e doença hepática. Internado dia 04/06, veio a óbito dia 16/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1324º óbito – homem, 83 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Internado dia 01/06, foi a óbito dia 17/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1325º óbito – mulher, 93 anos, residente em Salvador, sem informações acerca de comorbidades. Também sem informação sobre a data da internação, veio a óbito dia 12/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

1326º óbito – mulher, 85 anos, residente em Salvador, portador de doença cardiovascular. Sem informação acerca da data de internação, veio a óbito dia 11/06, em hospital da rede pública, em Salvador;

1327º óbito – mulher, 87 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Internada dia 02/06, veio a óbito dia 12/06, em hospital filantrópico, em Salvador;

1328º óbito – mulher, 81 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial. Sem informações acerca da data de internação, veio a óbito dia 19/06, em hospital filantrópico, em Salvador;

1329º óbito – homem, 77 anos, residente em Salvador, portador de diabetes mellitus e doença cardiovascular. Internado dia 17/06, veio a óbito dia 19/06, em hospital filantrópico, em Salvador;

1330º óbito – mulher, 68 anos, residente em Ilhéus, portadora de diabetes e doença cardiovascular, foi internada dia 06/06 e veio a óbito dia 16/06, em unidade da rede pública, em Ilhéus;

1331º óbito – homem, 84 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, foi internado dia 09/06 e veio a óbito dia 18/06, em unidade da rede filantrópica, em Salvador;

1332º óbito – homem, 83 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial e diabetes, foi internado dia 05/06 e veio a óbito na mesma data (05/06), em unidade da rede pública, em Salvador;

1333º óbito – homem, 69 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, foi internado dia 09/05 e veio a óbito dia 13/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

1334º óbito – homem, 78 anos, residente em Lauto de Freitas, portador de hipertensão arterial, data de admissão não informada, veio a óbito dia 31/05, em unidade da rede pública, em Camaçari;

1335º óbito – mulher, 65 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial, diabetes, doença cardiovascular, doença renal crônica e obesidade, foi internada dia 17/05 e veio a óbito dia 29/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

1336º óbito – mulher, 89 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial, foi internada dia 26/05 e veio a óbito dia 09/06, em unidade da rede privada, em Salvador;

1337º óbito – homem, 64 anos, residente em Santo Antônio de Jesus, sem comorbidades, foi internado dia 14/06 e veio a óbito dia 19/06, em unidade da rede pública, em Santo Antônio de Jesus;

1338º óbito – homem, 47 anos, residente em Salvador, portador de obesidade, foi internado dia 24/05 e veio a óbito dia 11/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

1339º óbito – homem, 58 anos, residente em Conceição da Feira, portador de hipertensão arterial e diabetes, foi internado dia 18/06 e veio a óbito na mesma data (18/06), em unidade da rede pública, em Conceição da Feira;

1340º óbito – homem, 55 anos, residente em Salvador, portador de diabetes, foi interado dia 14/05 e veio a óbito dia 08/06, em unidade da rede privada, em Salvador;

1341º óbito – mulher, 65 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial e diabetes, foi internada dia 08/06 e veio a óbito dia 13/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

1342º óbito – homem, 79 anos, residente em Vitória da Conquista, portador de doença do sistema nervoso, foi internado dia 02/06 e veio a óbito dia 19/06, em unidade da rede filantrópica, em Vitória da Conquista;

1343º óbito – homem, 43 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, diabetes e doença cardiovascular, foi internado dia 03/06 e veio a óbito dia 05/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

1344º óbito – mulher, 55 anos, residente em Miguel Calmon, portadora de doença cardiovascular e neoplasias, foi internada dia 05/05 e veio a óbito dia 15/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

1345º óbito – mulher, 56 anos, residente em Valença, sem informação de comorbidades, data de admissão não informada, veio a óbito dia 19/06, em unidade da rede filantrópica, em Valença;

1346º óbito – homem, 87 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, diabetes, doença cardiovascular e doença respiratória crônica, foi internado dia 23/05 e veio a óbito dia 15/06, em unidade da rede privada, em Salvador;

1347º óbito – mulher, 66 anos, residente em Vitória da Conquista, portadora de diabetes e doença do sistema nervoso, data de admissão não informada, veio a óbito dia 18/06, em unidade da rede filantrópica, em Vitória da Conquista;

1348º óbito – homem, 75 anos, residente em Salvador, portador de doença cardiovascular, data de admissão não informada, veio a óbito dia 14/06, em unidade da rede privada, em Salvador;

1349º óbito – homem, 85 anos, residente em Salvador, sem informação de comorbidades, foi internado dia 26/04 e veio a óbito dia 10/06, em unidade da rede privada, em Salvador;

1350º óbito – homem, 50 anos, residente em Vitória da Conquista, sem comorbidades, foi internado dia 15/06 e veio a óbito dia 18/06, em unidade da rede filantrópica, em Vitória da Conquista.

Prefeito de Bruges, cidade da Bélgica, é esfaqueado no pescoço; autor foi detido

/ Mundo

Dirk De fauw, prefeito de Bruges, na Bélgica. Foto: Dirk De Fauw/Twitter

O prefeito de Burges, cidade na Bélgica, Dir De fauw, de 62 anos, foi esfaqueado por um rapaz no pescoço neste sábado (20).

De acordo com informações preliminares da imprensa local, o ataque teria acontecido perto do escritório de advocacia de De fauw, no bairro de Saint-Andries.

De fauw, que também é advogado, foi levado para o hospital e deve passar por uma cirurgia. A porta-voz da promotoria, Céline D’havé, afirma que a condição do prefeito é ”estável”.

Não há informações sobre o homem detido. D’havé afirma que ainda é muito cedo para falar algo, porém o jornal local Het Laatste Nieuws especula que o criminoso pode ser um cliente ou um ex-cliente de De fauw.

Itaquara confirma o primeiro caso do coronavírus e prefeito apela por isolamento social

/ Itaquara

Marco Aurélio diz que paciente está em isolamento. Foto: Rede social

O município de Itaquara, no Vale do Jiquiriçá, registrou neste sábado (20) o primeiro caso de Covid-19.

A revelação da ocorrência registrada pela Secretaria Municipal de Saúde foi feita pelo prefeito Marco Aurélio Costa (PSB), por volta das 17h. ”Hoje, venho eu e a secretária de Saúde, após 90 dias de ações da prefeitura de combate ao coronavírus, dar uma triste notícia. Infelizmente, confirmamos o primeiro caso no município. O paciente está em isolamento, à família está em isolamento e eu peço a todos que fiquem em casa, que só saiam em caso de extrema necessidade e usem máscaras. Por favor, vamos manter o isolamento, que Deus abençoe a todos vocês”, disse Marco Aurélio, que apelou pelo isolamento social.

Conforme informações, a pessoa que teria contraído o vírus é mulher e o quadro é estável, estando a paciente em isolamento domiciliar.

”Fui prefeito de Jequié por um dia e não gostei do que vi!”, diz Hassan Iossef após deixar o cargo

/ Jequié

Hassan foi empossado num dia e saiu no outro. Foto: Emanuel Jr.

Hassan Iossef, empossado no cargo de prefeito interino de Jequié, na quinta-feira (18), após a Câmara Municipal aprovar o afastamento imediato do titular, Sérgio da Gameleira, resumiu em apenas uma frase o retrato do Município: ”Fui prefeito de Jequié por um dia e não gostei do que vi!”. A referida frase é o título da Carta publicada nesta sexta, após a justiça ter reconduzido Gameleira à prefeitura.

Dizendo-se assustado com o que viu, apesar de não ter conseguido fechar o diagnóstico, Hassan Iossef explica que o débito do Município ultrapassa a casa dos R$80 milhões, sem contar os débitos da Previdência. ”Não consegui fechar completamente o diagnóstico em tão pouco tempo, mas sei que o débito do município ultrapassa os OITENTA MILHÕES DE REAIS! Isso sem contar com os débitos da previdência. É realmente assustador!”, coloca.

De acordo com o relato do agora vice-prefeito, a receita da Prefeitura de Jequié mensal é de cerca de R$25 milhões. ”Para resolvermos essa enorme dívida criada pela gestão precisaríamos, com muita responsabilidade e inteligência estratégica, economizar entre R$3 e R$4 milhões por mês pra poder quitar no menor tempo possível, sem sacrificar muito o nosso povo, e a partir daí administrar com as contas empatadas”, enfatiza.
INTENÇÃO
Na Carta, Hassan Iossef afirma que sua intenção era quitar de imediato a folha salarial do funcionalismo público do mês de maio, que está em aberto, e cortar determinados gastos menos essenciais no momento para começar a administrar o recurso municipal com justiça e responsabilidade, o que não vinha acontecendo. “É inadmissível deixar de pagar o salário do trabalhador, que conta com esse dinheiro pra levar o pão pra casa, pra gastar o recurso com ações que podem esperar a situação financeira se equilibrar. O trabalhador não pode esperar. Ele precisa comer, ele precisa pagar a luz, o aluguel. Isso é administrar!, destaca.

Para Hassan, prioridade é resolver o que é essencial e equilibrar o que não é; cortar gastos desnecessários é essencial, senão a Prefeitura vai à falência total!”, complementa.

A situação é desanimadora. Segundo o vice-prefeito, tem fornecedores que estão desde 2018 sem receber. ”Estamos falando muitas vezes de empresas pequenas que sem esse recurso precisam demitir funcionários ou até mesmo fechar as portas. A Prefeitura está sendo irresponsável! E quem paga por essa irresponsabilidade, infelizmente, é o povo que mais precisa do auxílio da gestão municipal”, dispara.
CHOQUE DE GESTÃO
Na Carta, Hassan destaca ainda que já havia começado a estruturar o choque de gestão, que, segundo ele, se faz urgente, quando fui surpreendido por uma liminar que trouxe de volta Sérgio da Gameleira para a prefeitura. ”Estou muito preocupado e me sinto na obrigação de divulgar a todos a ponta do iceberg que pude detectar”, afirma.

Para o vice-prefeito deve existir muita sujeira debaixo do tapete, mas lamenta não ter tido tempo suficiente para ter a noção exata ”do tamanho dessa sujeira, muito menos de tentar limpar para viabilizar a retomada de crescimento de Jequié”, conforme frisou. Com informações do site Jequié e Região

Mais dois municípios têm transporte suspenso na Bahia através de decreto; total chega a 303

/ Trânsito

O transporte intermunicipal será suspenso em Baixa Grande e Tabocas do Brejo Velho a partir deste domingo (21). A decisão, que foi publicada em decreto no Diário Oficial do Estado (DOE), tem o objetivo de conter o avanço do coronavírus na população baiana.

Ficam proibidas nesses municípios a circulação, a saída e a chegada de qualquer transporte coletivo intermunicipal, público e privado, rodoviário e hidroviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e de vans. Também continuam suspensas, até o dia 6 de julho, a circulação, a saída e a chegada de ônibus interestaduais no território baiano.

O decreto ainda autoriza a retomada do transporte intermunicipal em Antas, Barra do Rocha, Caém, Canavieiras, Cristópolis, Itagi, Itiúba, Macarani, Maetinga, Nova Redenção, Piritiba, Quixabeira, Rio do Antônio e Santa Teresinha, cidades com 14 dias ou mais sem novos casos de Covid-19.

MP recomenda que Prefeitura de Gandu reavalie abertura do comércio, com 342 casos e 08 óbitos

/ Bahia

Decreto em Gandu autorizou reabertura do comércio. Foto: Facebook

Na última sexta-feira (19), a prefeitura de Gandu recebeu uma orientação do Ministério Público para reavaliar o decreto de reabertura do comércio no município. O documento ressalta o número considerável de casos de coronavírus na cidade e pele que apenas os serviços essenciais sejam autorizados a funcionar.

Assinado pela promotora de Justiça Maria Anita Corrêa, o pedido reforça que estabelecimentos que não estejam enquadrados como necessários apresentem uma justificativa técnica e fundamentada para permanecerem abertos, além da apresentação de evidências e análises da vigilância sobre estratégias de segurança de saúde frente ao cenário local.

A promotora solicita ainda que as estruturas dos serviços de saúde para atender a população diagnosticada com Covid-19 sejam apresentadas como finalizadas, comprovando que a cidade tem capacidade de atender um período de pico de contaminação. Com isso, ela pede a apresentação do suprimento de leitos, EPIs, respiradores, insumos médicos e testes laboratoriais e quantitativos da equipe de profissionais de saúde no município.

Por fim, a recomendação pede ainda que a prefeitura da cidade seja transparente quanto aos numerários de diagnósticos e óbitos relacionados ao vírus.

O comércio da cidade de Gandu foi fechado em maio e totalmente reaberto neste mês de junho. Atualmente, a cidade apresenta 342 casos confirmados para Covid-19, com o registro de 08 óbitos. Com informações do Bahia Notícias

Dexametasona já é usada em hospitais brasileiros em casos graves de Covid-19

/ Saúde

Hospitais brasileiros já utilizam a dexametasona e outros corticoides dentro do arsenal de terapias farmacológicas para o doente grave de Covid-19 e devem ampliar o uso a partir dos resultados de estudo da Universidade de Oxford apontando que a droga reduz a mortalidade de pacientes internados.

O uso off label (fora da bula, sob responsabilidade do médico) da medicação foi sugerido por uma diretriz de três sociedades médicas (de medicina intensiva, de infectologia e de pneumologia) no início da pandemia no Brasil, quando ainda não havia evidências contrárias ou favoráveis a ela.

No documento consta que o remédio não deve ser usado na fase inicial da doença. Entre o sétimo e o décimo dia da infecção, poderia ser utilizado em casos selecionados de pacientes internados para controle da inflamação causada pela Covid-19.

Segundo a médica Suzana Margareth Lobo, presidente da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira), o novo estudo traz mais segurança ao estabelecer doses recomendadas da dexametasona para doentes em suporte de oxigênio e em ventilação mecânica.

”Muitos intensivistas já vinham usando em doentes com síndromes respiratórias agudas graves. A gente usava em doses mais altas. Agora pode entrar em paciente em ventilação mecânica, mas não só nos muito graves. Provavelmente será usada em maior escala.”

O médico Luciano Cesar Pontes de Azevedo, superintendente de ensino do Hospital Sírio-Libanês e coordenador do estudo sobre o uso da dexametasona na Covid-19 no Brasil, diz que o fato de a droga estar sendo muito utilizada durante a pandemia acabou atrasando o recrutamento de pacientes para a pesquisa.

”Muitos pacientes chegavam já fazendo uso há três, quatro dias e a gente não conseguia incluir no estudo [para a inclusão, eles precisam ser ‘virgens’ da terapia]”, afirma.

Segundo ele, nas últimas semanas os hospitais diminuíram o interesse pela hidroxicloroquina, cujos estudos não encontraram evidência de eficácia, e optaram mais por corticoides e anticoagulantes. ”São os dois tratamentos off label da Covid mais utilizados no momento. Mas evidências mesmo só começam a ser geradas agora, a partir do Recovery [o estudo britânico].”

De acordo com o infectologista Esper Kallás, professor da USP, no Hospital das Clínicas o uso de corticoides já é sugerido em casos mais graves. ”O estudo confirma o que nós já havíamos percebido: para aqueles casos mais graves, com comprometimento pulmonar mais extenso, com insuficiência respiratória, um pouco de corticoide ajuda.”

O hospital tem usado outros corticoides, como metilprednisolona e hidrocortisona. ”Na pneumologia há preferência pela metilprednisolona porque ela penetra melhor nos pulmões. Nas inflamações do cérebro, a preferência é pela dexametasona. O uso do corticoide deve ser personalizado, e não usado de forma indiscriminada”, diz Kallás.

No mercado mundial há 60 anos, a dexametasona já não tem mais patente e é de baixo custo. Em maio, foram vendidas no Brasil 1,7 milhão de caixas da medicação, fabricadas por 27 farmacêuticas. A caixa com dez comprimidos custa em torno de R$ 7. O remédio é usado contra doenças inflamatórias e respiratórias, reumatismos, alergias, entre outros.

A preocupação dos médicos é que pelo fato de ser uma droga barata e de fácil acesso haja corrida às farmácias a exemplo do que se viu com a cloroquina e a hidroxicloroquina. O medicamento não é indicado para casos leves de Covid-19, como já advertiu a OMS (Organização Mundial da Saúde).

‘O estudo é bastante claro nas indicações. É para paciente hospitalizado, internado, que precisa de oxigênio ou ventilação. Não é para casos leves ou prevenção”, diz Lobo.

Ela diz que a droga pode causar efeitos adversos, como aumento da glicemia e da pressão arterial, o que pode descompensar os pacientes diabéticos e hipertensos, além de hemorragias digestivas. O estudo britânico apontou redução do risco de morte em 35% em pacientes em ventilação mecânica e em 20% nos que dependiam de oxigênio. ‘Os resultados são muito bem-vindos, mas não representam cura.”

Para Lobo, será preciso medir o impacto real da terapia na prática clínica. ”Pode ser até menor do que o demonstrado no estudo [que foi controlado] porque muitos médicos aqui já vinham utilizando a medicação.” Kallás tem a mesma percepção: ”O efeito é bom, mas não é essa maravilha toda. Reduziu a mortalidade em até 35%. E, na doença mais precoce, em vez de ajudar, pode atrapalhar.”

Segundo ele, isso reforça conceito básico na infectologia.”Com a infecção na fase inicial, o sistema imune tem que estar funcionando bem para eliminar o vírus. Se der corticoide, você diminui um pouco a capacidade do organismo de combater [a infecção].” Como a Covid é doença bifásica, ou seja tem a fase virêmica no início e a inflamatória depois, o corticoide só está indicado para a fase mais tardia da infecção.

Para o biomédico Renato Sabattini, professor na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, é preciso que as pessoas entendam que a cura de pacientes graves com Covid é resultante de um conjunto enorme de medidas terapêuticas, aplicadas por profissionais e recursos intensivistas por longo tempo. ”Corticosteroides de forma nenhuma são milagrosos. Muita gente vai continuar morrendo mesmo tratada.”

PESQUISA BRITÂNICA

Um comitê de especialistas independentes anunciou nesta sexta (19) que o estudo brasileiro sobre o uso da dexametasona em pacientes internados com Covid-19, o segundo maior em número de doentes seguidos, deve prosseguir.

Havia dúvida se os resultados promissores do estudo britânico, com 6.000 pacientes, já seriam suficientes para atestar a eficácia da droga e ainda valeria a pena continuar a pesquisa brasileira sobre a mesma droga, que acompanha hoje 284 pacientes. A proposta é chegar a 350 pacientes.

No país, a dexametasona é testada no Coalizão Covid Brasil, que reúne médicos pesquisadores de alguns principais hospitais, com outras potenciais terapias. Os resultados têm sua divulgação prevista para agosto.

Segundo Luciano Azevedo, que coordena o braço do estudo, alguns dos investigadores entendem que, dados os resultados robustos do Recovery, seria antiético continuar ”randomizando” [escolhendo de forma aleatória] os pacientes.

Com a decisão do comitê independente de que o estudo deve ser continuado, Azevedo acredita que deve cair muito a taxa de inclusão de novos pacientes. ”Muitos já vão estar usando a medicação [de forma off label].” *Por Claudia Collucci|Folhapress

Promotora de Justiça aciona o município de Ipiaú para revogar decretos de abertura do comércio

Ipiaú já registrou 537 casos de coronavírus. Foto: Divulgação

O Ministério Público estadual (MP-BA) ajuizou ação civil pública contra o município de Ipiaú para que revogue decretos municipais que flexibilizaram a abertura do comércio na cidade, em virtude do crescimento dos casos de coronavírus.

Na ação, o MP requer que a Justiça determine que o município revogue os decretos municipais n.º 5.668 e 5.675, que permitiram o funcionamento de alguns setores de atividades comerciais não essenciais a partir do dia 1º deste mês, além do decreto municipal n.º 5.676 que autorizou o funcionamento parcial das atividades de salão de beleza, barbearia e clínica estética.

“O Município deve apresentar como condicionante à reabertura do comércio estudos técnicos epidemiológicos e planejamento baseado no cenário regional”, destacou a promotora de Justiça, Rafaella Silva Carvalho.

Segundo o último boletim divulgado no dia 18 de junho, há atualmente 519 casos confirmados de Covid-19 na cidade, sendo 130 casos ativos. Além disso, há quatro pessoas internadas em tratamento hospitalar e oito óbitos. Segundo a promotora de Justiça Rafaella Carvalho, no dia 16 deste mês a Superintendência da Vigilância Sanitária do Estado da Bahia (Suvisa) opinou expressamente que ”neste cenário epidemiológico não é recomendado que as atividades comerciais sejam flexibilizadas, o que poderá levar ao um avanço do número de casos”.

A promotora de Justiça também levou em consideração para ajuizar a ação informações prestadas pela Diretoria de Regulação da Assistência à Saúde (Direg) onde constam que, do dia 24 de março até o dia 13 de junho, já teriam sido solicitadas regulação para 49 leitos Covid-19 para pacientes originados de Ipiaú.