Prefeita de Porto Seguro recebe alta após testar positivo para Covid-19; ”estou muito feliz”

/ Bahia

Claudia Oliveira recebe alta hospitalar. Foto: Prefeitura de Porto

A prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira, usou as redes sociais para informar que recebeu alta após testar positivo para a Covid-19. Oliveira saiu do Hospital Navegantes na tarde deste domingo (7), uma semana após comunicar que tinha sido infectada pelo novo coronavírus. Na mensagem enviada via redes sociais, a prefeita disse que se sentia muito bem e agradeceu o apoio recebido.

”Estou muito feliz por estar recebendo alta, de poder ir para minha casa, mesmo continuando o isolamento. Mas estarei do lado de minha família. Quero agradecer, primeiro, a Deus, pela oportunidade que está me dando de mais uma vez vencer uma batalha e sair vitoriosa”, declarou.

Segundo último boletim da vigilância epidemiológica local, Porto Seguro já tem 190 casos confirmados de novo coronavírus, com 120 em isolamento e sete internados, e um óbito. *Por Francis Juliano

Município de Santo Antônio de Jesus ultrapassa marca 100 casos confirmados da Covid-19

/ Bahia

Santo Antônio de Jesus, o maior município do Recôncavo, anunciou, nesta segunda-feira (8), a chegada à marca de 101 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo a prefeitura, 66 contaminados já encontram-se recuperados, enquanto 32 estão em isolamento domiciliar. Não há nenhum morador do município internado com caso confirmado da doença. Três pessoas faleceram.

Outros 59 moradores de SAJ são considerados suspeitos e aguardam resultado de exame. Entre eles, um está internado em leito clínico e dois encontram-se em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). *Por Lula Bonfim

Boletim epidemiológico: Estado da Bahia registra 28.715 casos confirmados de Covid-19

/ Saúde

A Bahia registra 28.715 casos confirmados de coronavírus (Covid-19), o que representa 19,09% do total de notificações no estado. O boletim epidemiológico ainda contabiliza 12.406 pessoas recuperadas, 910 óbitos e 15.399 indivíduos monitorados pela vigilância epidemiológica e com sintomas da Covid-19, o que são chamados de casos ativos.

Os casos confirmados ocorreram em 341 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (56,99%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 1.000.000 habitantes foram Ipiaú (7.673,36), Itajuípe (7.173,88), Uruçuca (6.774,21), Urandi (5.823,03) e Salvador (5.650,78).

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 45.274 casos descartados e 76.423 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 16 horas desta segunda-feira (8).

Na Bahia, 4.129 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui.

Taxa de ocupação

Na Bahia, dos 1.977 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para coronavírus, 1.103 possuem pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 56%. No que se refere aos leitos de UTI adulto e pediátrico, dos 813 leitos exclusivos para o coronavírus, 563 possuem pacientes internados, compreendendo uma taxa de ocupação de 69%. Cabe ressaltar que o número de leitos é flutuante, representando o quantitativo exato de vagas disponíveis no dia. Intercorrências com equipamentos, rede de gases ou equipes incompletas, por exemplo, inviabilizam a disponibilidade do leito. Ressalte-se que novos leitos são abertos progressivamente mediante o aumento da demanda.

Óbitos

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contabiliza 910 mortes pelo novo coronavírus. Conforme perfil detalhado abaixo, os óbitos não ocorreram nas últimas 24 horas.

880º óbito – homem, 97 anos, residente em Salvador, portador de diabetes e demências, incluindo Alzheimer, foi internado dia 11/05 e veio a óbito dia 25/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

881º óbito – mulher, 91 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, foi internada dia 28/05 e veio a óbito dia 30/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

882º óbito – homem, 74 anos, residente em Salvador, portador de diabetes, foi internado dia 28/05 e veio a óbito dia 30/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

883º óbito – homem, 70 anos, residente em Santo Estevão, portador de diabetes, foi internado dia 21/05 e veio a óbito dia 02/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

884º óbito – homem, 78 anos, residente em Prado, portador de hipertensão arterial, foi internado dia 01/06 e veio a óbito dia 07/06, em unidade da rede pública, em Teixeira de Freitas;

885º óbito – homem, 72 anos, residente em Salvado, sem informação sobre a existência de comorbidades. Sem informação acerca da data de admissão, e veio a óbito dia 05/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

886º óbito – homem, 56 anos, residente em Camaçari, portador de hipertensão arterial e obesidade, foi a óbito em domicílio, em Camaçari;

887º óbito – homem, 60 anos, residente em Salvador, portador de doenças autoimunes e imunodeficiência, foi internado dia 15/05 e veio a óbito dia 26/05, em unidade da rede privada, em Salvador;

888º óbito – mulher, 79 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, foi internada dia 03/05, e veio a óbito dia 20/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

889º óbito – mulher, 75 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, foi internada dia 05/05 e veio a óbito dia 29/05, em unidade da rede filantrópica, em Salvador;

890º óbito – mulher, 56 anos, residente em Itaberaba, portadora de hipertensão arterial, diabetes, obesidade e doença hepática, foi internada dia 17/05 e veio a óbito dia 05/06, em unidade da rede pública, em Lauro de Freitas;

891º óbito – homem, 45 anos, residente em Salvador, portador de hipertensão arterial, foi internado dia 24/05 e veio a óbito dia 01/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

892º óbito – mulher, 66 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, data de admissão não informada, veio a óbito dia 19/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

893º óbito – mulher, 63 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial, doença cardiovascular, doença respiratória crônica e obesidade, foi internada dia 26/05 e veio a óbito dia 31/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

894º óbito – mulher, 92 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial, diabetes, doenças endócrinas e nutricionais, foi internada dia 19/05 e veio a óbito dia 30/05, em unidade da rede privada, em Salvador;

895º óbito – mulher, 48 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, data de admissão não informada, veio a óbito dia 23/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

896º óbito – mulher, 66 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial e diabetes, foi internada dia 29/05 e veio a óbito dia 31/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

897º óbito – mulher, 73 anos, residente em Camaçari, sem comorbidades, foi internada dia 05/06 e veio a óbito na mesma data (05/06), em unidade da rede filantrópica, em Salvador;

898º óbito – mulher, 39 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, data de admissão não informada, veio a óbito dia 27/05,em unidade da rede pública, em Salvador;

899º óbito – mulher, 55 anos, residente em Salvador, sem comorbidades, data de admissão não informada, veio a óbito dia 22/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

900º óbito – mulher, 66 anos, residente em Simões Filho, portadora de diabetes, foi internada dia 03/06 e veio a óbito 04/06, em unidade da rede pública, em Simões Filho;

901º óbito – mulher, 56 anos, residente em Feira de Santana, portadora de hipertensão arterial e doença renal crônica, data de admissão não informada, veio a óbito dia 07/06, em unidade da rede pública, em Feira de Santana;

902º óbito – mulher, 69 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial e doença cardiovascular, foi internada dia 15/05 e veio a óbito dia 02/06, em unidade da rede pública, em Salvador;

903º óbito – mulher, 41 anos, residente em São Gonçalo dos Campos, portadora de diabetes, data de admissão não informada, veio a óbito dia 06/06, em unidade da rede pública, em São Gonçalo dos Campos;

904º óbito – homem, 47 anos, residente em Valente, portador de hipertensão arterial, neoplasias, doença do sistema nervoso e obesidade, data de admissão não informada, veio a óbito dia 31/05, em unidade da rede pública, em Salvador;

905º óbito – homem, 64 anos, residente em Salvador, portador de diabetes, foi internado dia 17/05 e veio a óbito dia 03/06, em unidade da rede filantrópica;

906º óbito – mulher, 85 anos, residente em Salvador, portadora de hipertensão arterial. Sem informação sobre a data de internação, veio a óbito dia 05/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

907º óbito – mulher, 80 anos, residente em Salvador, portadora de diabetes mellitus. Internada dia 26/05, veio a óbito dia06/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

908º óbito – mulher, 21 anos, residente em Salvador, sem informação acerca de comorbidades. Sem informação sobre a data da internação, veio a óbito dia 06/06, em hospital filantrópico, em Salvador;

909º óbito – homem, 51 anos, residente em Salvador, sem comorbidades. Internado dia 22/05, veio a óbito dia 06/06, em hospital da rede particular, em Salvador;

910º óbito – mulher, 81 anos, residente em Salvador, portadora de diabetes mellitus, demência, Alzheimer e doenças endócrinas e nutricionais. Internada dia 25/05, veio a óbito dia 29/05, em hospital filantrópico, em Salvador.

Serrinha sai de 6 para 118 casos de Covid-19 em 25 dias, e prefeito explica motivos para crescimento

/ Saúde

Prefeito da cidade de Serrinha, Adriano Lima. Foto: Divulgação

Nas últimas semanas, o município de Serrinha, a cerca de 185 quilômetros de Salvador, registrou crescimento no número de casos confirmados da Covid-19. De acordo com o último balanço divulgado pela prefeitura da cidade, no domingo (7), a cidade contabilizava 118 pessoas contaminadas pela doença. O número é 1.866,66% superior ao registrado há 25 dias, quando havia seis casos confirmados do coronavírus no município.

Em Serrinha, a prefeitura determinou o toque de recolher das 18h às 5h. Além disso, na cidade, só é permitido o funcionamento do comércio essencial, a exemplo de supermercados, farmácias e postos de combustível.

Contudo, a situação era distinta no dia 22 de abril, quando a prefeitura autorizou o retorno do comércio com operação de 50% da capacidade. Àquela altura, Serrinha tinha quatro casos confirmados da Covid-19. Cerca de um mês depois, no dia 20 de maio, diante do aumento no número de registros da doença, a prefeitura decidiu retomar as regras mais rígidas.

Em entrevista ao site G1, o prefeito de Serrinha, Adriano Lima, pontuou o que acredita serem os motivos para o crescimento de casos na cidade. O gestor relatou casos relacionados a uma mineradora que atua na região, bem como o descumprimento, por parte dos moradores, das medidas de restrição.

“Na verdade, hoje, a gente tem dois pontos que, no meu ponto de vista, são fundamentais: o caso da mineradora, porque o maior número de casos que a gente tem é ligado direto ou indiretamente. A gente vê também o pessoal não seguindo muito as medidas de restrição preconizadas pela própria gestão, às vezes formando aglomerações em setores de comércio que não era para estar tendo. Ainda se vê movimentação grande na cidade”. avalia.

Outro fator que tem relação com o aumento no número de contaminados em Serrinha é a realização de testes rápidos, segundo Adriano Lima. O prefeito afirma que pretende testar o maior número possível de moradores.

”Na verdade, está tendo uma pandemia a nível de planeta. Nosso estado está envolto nisso. Está acontecendo em todos os municípios. O grande problema que a gente tem hoje é subnotificação. Você não tem um teste em massa a nível de Brasil, Bahia. E aí você tem muitos menos casos em evidência do que realmente existem. A gente está fazendo teste rápido aqui. Tenho certeza que um dos municípios que mais testam é Serrinha. A gente está tendo também um número de casos aumentado porque está testando muito. A gente já fez dois mil testes rápidos. O município tem 83 mil habitantes. A gente vai tentar fazer em torno de 15% a 20% da população. É um objetivo que a gente tem, mas não sei se vai ser possível por conta dos recursos que nós temos”, disse o prefeito.

O toque de recolher foi colocado em prática em Serrinha na última quarta-feira (3). O prefeito Adriano Lima explica que, como a nova determinação tem pouco tempo, ainda não é possível ter um panorama dos efeitos dela.

”A gente instituiu toque de recolher na semana passada, quarta-feira. E a gente vai estar fazendo avaliações dessas atuações mais duras nas próximas três semanas. Devido aos 14 dias de período de encubação da doença, vamos ter uma avaliação melhor de quando instituímos medidas mais duras. Algumas pessoas, não muitas (descumpriram as recomendações). Tem pessoas que, às vezes, estão indo fazer compras em farmácias, saem de consultas, algumas que estão de forma inadvertida na rua, são orientadas a voltar. Não está tendo muito problema. São coisas pontuais”, afirma.

Serrinha conta com dez leitos de UTI, mas apenas um deles está sendo usado por uma paciente que sofreu AVC. Na cidade, foram instaladas quatro barreiras sanitaristas para realização de teste de temperatura, avaliação de sintomas para detecção de possessíveis suspeitos de coronavírus, dados de agrupamentos em transportes, de destinos e origens dos passageiros e motoristas, entre outras informações e medidas

Embaixada dos Estados Unidos nega asilo político a Sara Winter, ativista de extrema-direita

/ Política

Sara Fernanda, conhecida como Sara Winter. Foto: Reprodução

A defesa da ativista de extrema-direita Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter, pediu asilo político para a cliente, à embaixada dos Estados Unidos, mas a solicitação foi negada no início da semana passada. O advogado Bertoni Barbosa de Oliveira, afirma ter feito a solicitação de maneira informal, em uma articulação junto à embaixada.

A negativa teria sido embasada no cenário de pandemia do novo coronavírus. No dia 24 de maio, os EUA anunciaram a proibição da entrada de viajantes saindo do Brasil. Além disso, segundo Barbosa, Sara teria que ficar na embaixada sem se pronunciar, até poder ir ao país na América do Norte.

O advogado também avalia que o assassinato de George Floyd, que levantou uma onda de protestos contra racismo nos Estados Unidos, também é um dos fatores que teria motivado a suposta negativa.

Insultos

No dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra a ativista, ela chamou o ministro de ”covarde” e gravou um vídeo dizendo que queria ”trocar soco” com o ministro, e que descobriria tudo sobre a vida do magistrado, incluindo os lugares que ele frequenta. ”Nunca mais vai ter paz na sua vida”, afirmou.

O advogado alega ter sido informado de um possível pedido de prisão contra ela, por isso buscou o asilo político, mas o pedido foi arquivado. Na última quinta-feira (4), Sara deveria ter prestado depoimento à PF no âmbito deste inquérito das fake news. Ela não compareceu para depor, mas foi à PF com apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e aguardou a saída da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que havia ido prestar depoimento.

Tochas e máscaras

No início de junho, Sara foi expulsa do Democratas, pelo presidente nacional da legenda, prefeito ACM Neto. ”Quem defende o fim das instituições democráticas não pode permanecer em um partido que prega o respeito às instituições brasileiras e à liberdade”, disse Neto.

Apoiadora do presidente Jair Bolsonaro, Sara é uma das lideranças do movimento “300 do Brasil”, acampados em Brasília desde início de maio. No dia 30 do mês passado, eles fizeram um protesto em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Com tochas e máscaras, a imagem lembrou a muitos ações do Ku Klux Klan (KKK), organização racista originada nos Estados Unidos que fala em supremacia branca e já cometeu diversos atos violentos contra negros.

Com informações do Correio Braziliense

Toffoli pede trégua entre Poderes e diz que dubiedade de Bolsonaro sobre democracia assusta

/ Justiça

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli. Foto: Reprodução

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, afirmou, nesta segunda-feira (8), que ações do presidente Jair Bolsonaro e de seu governo têm ”trazido dubiedades que impressionam e assustam não só a sociedade brasileira, mas também a comunidade internacional”.

Toffoli ressaltou que é necessário estabelecer uma ”trégua entre os Poderes” para o devido enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. E avisou, em afirmação direcionada ”diretamente e em especial” ao chefe do Executivo, que ”não é mais possível atitudes dúbias”.

O discurso ocorreu em evento por videoconferência em que associações de magistrados, de integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público e entidades da sociedade civil entregaram um manifesto de apoio ao Supremo e ao Judiciário.

O texto é considerado uma demonstração de força do STF em meio a atritos com Bolsonaro. Nele, as entidades afirmam que os ataques à Justiça ameaçam os valores democráticos do país, além de ressaltarem que a liberdade de expressão ”não abarca discursos de ódio e a apologia ao autoritarismo, à ditadura e a ideologias totalitárias que já foram derrotadas no passado”.

Um dos principais pivôs das disputas com o Palácio do Planalto, Alexandre de Moraes fez questão de participar da solenidade e foi o único ministro presente além de Toffoli. No discurso, o presidente da corte destacou que o Brasil tem uma “imprensa livre” e que tem atuado com qualidade na ”defesa das instituições”.

Toffoli elogiou, ainda, a iniciativa de veículos de comunicação de se unirem para compilar os dados do novo coronavírus no Brasil. Sobre a relação com Bolsonaro, o ministro lembrou que, ano passado, o chefe do Executivo foi ”firme junto à sua base contra a abertura de CPI [sobre o STF] e se manifestou publicamente contra processos de impeachment” de ministros da corte.

Toffoli ressaltou que teve ”relacionamento harmonioso” com Bolsonaro e seus auxiliares e disse ter certeza que são ”democratas, chegaram ao poder pela democracia e pelo voto popular e merecem respeito”.

O magistrado também elogiou o empenho do Congresso em evitar crises e adotar as medidas necessárias de combate à Covid-19. E disse que é momento de ”diálogo, em vez de confronto, de razão pública no lugar das paixões extremadas”.

”Os Poderes da República em todas as esferas da federação, as instituições públicas e privadas e a sociedade civil devem unir forças para, com diálogo, transparência e ciência, preservar vidas, vencer a pandemia e superar suas consequências nefastas nos âmbitos sociais e econômicas”, disse.

Covid-19: Rui anuncia ponto de atendimento exclusivo para trabalhadores do SUS

/ Bahia

Rui segue focado no combate ao coronavírus. Foto: Mateus Pereira

Qualquer profissional que atue em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) de Salvador e apresente suspeita de contágio pelo novo coronavírus terá um ponto de atendimento exclusivo a partir desta terça-feira (9). O anúncio foi feito pelo governador Rui Costa durante uma live nas redes sociais, no início da noite desta segunda (8). Situado no antigo prédio da Faculdade Ruy Barbosa, no Rio Vermelho, o local, que terá inicialmente 10 leitos de observação e dois para pacientes críticos, foi destinado pelo Estado para esse uso após uma mudança de planejamento.

De acordo com Rui, o que motivou a alteração foi a baixa procura do espaço por parte de soteropolitanos com sintomas leves da Covid-19 e que preferissem se recuperar longe de familiares e vizinhos. ”Inicialmente, essa unidade foi pensada para servir de acolhimento, mas a baixa procura nos deu a ideia de transformar o espaço em um pronto-atendimento destinado somente a pessoas que trabalhem em unidades de saúde do SUS e que estejam com sintomas da Covid, sejam médicos, enfermeiros, vigilantes, porteiros ou agentes de limpeza”, listou.

A unidade será administrada pela Fundação Fabamed de Pesquisa e Extensão na área da Saúde (Fabamed), como uma extensão do hospital de campanha Santa Clara, e funcionará todos os dias da semana, das 8h às 21h, por demanda espontânea. Para ser atendido, basta apresentar a identificação profissional, a exemplo de um crachá, e um documento oficial de identidade com foto. Em caso de necessidade, o paciente será transferido para um hospital de referência.

Extremo-sul

O governador informou também que irá se reunir com os prefeitos e prefeitas de todas as cidades do extremo-sul, que estão com decreto de medidas restritivas mais duras em vigor até esta terça-feira (9). ”Olhei hoje a média dos últimos cinco dias dessas cidades e os números ainda estão elevados, com taxa de crescimento beirando os 10%. Por isso, conversarei com todos os prefeitos do extremo-sul para definir quais medidas tomar para tentar aproximar a média desses municípios da que o estado vem registrando, que é de 5%, sejam elas a manutenção do decreto ou novas determinações”, finalizou.

Guedes diz a deputados que Bolsa Família se chamará Renda Brasil e será pago a informais

/ Economia

Ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Marcos Corrêa

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou a deputados federais nesta segunda-feira (8) que o governo deverá lançar o programa Renda Brasil para substituir o Bolsa Família logo após o fim da pandemia do novo coronavírus.

Segundo congressistas que participaram da reunião, o ministro disse que a iniciativa será um programa de transferência de renda para os mais vulneráveis e será mais abrangente do que o atual Bolsa Família. A ideia é incluir até informais identificados pelo governo Jair Bolsonaro e hoje são beneficiados pelo auxílio emergencial de R$ 600.

Guedes, porém, não deu detalhes sobre a iniciativa. Desde o ano passado, a equipe de Jair Bolsonaro trabalha em uma transformação do Bolsa Família e já previa mudar o nome do programa para Renda Brasil.

Segundo integrantes da equipe econômica disseram à Folha, diversas áreas do ministério estão fazendo estudos para aprimorar o desenho de programas sociais e usar melhor os recursos destinados a eles.

Para deputados, a decisão de lançar a iniciativa atrelada ao fim da pandemia é uma forma de o governo suprir o fim da ajuda financeira paga a parcela da população afetada pela pandemia.

O auxílio emergencial começou a ser pago em abril e a previsão era a de que ele durasse três meses. A última parcela do benefício ainda será paga, mas o governo deverá estender o pagamento do auxílio por mais dois meses, mas com um valor menor, de R$ 300.

Uma das análises feitas pelo ministro a deputados é que a pandemia ajudou o governo a atualizar a base de dados de informais e isso poderia ser aproveitado no novo programa. Na avaliação de dirigentes partidários e de integrantes do governo, os protestos contra o governo registrados neste domingo (7) foram embrionários, mas poderiam ser inflados no futuro com a participação de descontentes com o fim do auxílio emergencial.

Além de tentar barrar a insatisfação com o governo, o governo também alteraria de uma vez por todas o nome do programa que foi marca dos governos petistas. A reunião desta segunda com Guedes teve como objetivo discutir com líderes de partidos de centro da Câmara medidas a serem tomadas após a pandemia do coronavírus.

Os ministros Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) também participaram. Segundo líderes partidários, o ministro da Economia falou que haverá dois choques passada a crise com a doença: um de empregos e outro de investimentos. Os investimentos viriam com o aporte de dinheiro público para obras do governo que gerariam empregos.

Esse braço está previsto no programa do governo chamado de pró-Brasil que teve inicialmente o repúdio de Guedes que o considerou o criticou por ser muito desenvolvimentista e parecido com programas do PT. Nesta segunda, Guedes acenou a ala militar do governo que defende o programa, sinalizando que pode colaborar com a iniciativa.

Congressistas disseram que o ministro da Economia e Braga Netto estavam em sintonia. Em outra frente, o titular da Economia também disse que o Renda Brasil teria um gatilho para incentivar os beneficiados a procurarem emprego.

Disse ainda que a carteira de trabalho verde amarela seria benéfica por desburocratizar processos de contratação e facilitar a a busca por empregos. Além disso, na reunião, os ministros do governo também pediram aos deputados empenho para aprovar a reforma tributária, administrativa, a autonomia do Banco Central, entre outros projetos.

Congressistas, por sua vez, pediram a Guedes que não mexa no Sistema S, como o governo já sinalizou que poderia fazer. O encontro, na avaliação de deputados, foi um gesto de aproximação do ministro da Economia com o Congresso.

Hoje, o Bolsa Família atende a famílias com filhos de 0 a 17 anos e que vivem em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, e pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 por mês. O benefício médio foi de R$ 191,86 até março.

Temporariamente, durante a pandemia, o valor depositado a quase todas as famílias será o mesmo do auxílio emergencial dado a trabalhadores informais e microempreendedores —de R$ 600.

Técnicos do governo temem que, sem a ampliação do Bolsa Família, a fila aumente ainda mais. Mais pessoas devem sofrer corte na renda por causa da crise econômica e entrar na faixa considerada pobre ou extremamente pobre, que tem direito à transferência.

Assim que estourou a pandemia, Onyx Lorenzoni, recém-transferido para o Ministério da Cidadania, anunciou que em abril a cobertura do Bolsa Família, após sofrer sucessivos cortes, seria recorde. Mas não foi.

Foram 14,27 milhões de famílias beneficiadas em abril, contra 14,34 milhões em maio do ano passado. Em maio de 2020, a cobertura passou para 14,28 milhões, ainda sem retomar o patamar anterior à maior sequência de cortes na história do programa.

Com o afrouxamento do Orçamento neste ano por causa da pandemia, mais dinheiro foi destinado ao programa e o governo atende a mais pessoas carentes. Mas, conforme mostrou reportagem da Folha na semana passada, a fila de espera ainda persiste. São 433 mil famílias aptas a receber o benefício e que ainda aguardam liberação, segundo dados obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação.

Esta é a primeira vez que o Ministério da Cidadania revela oficialmente o tamanho da fila. Desde outubro do ano passado, quando a Folha mostrou o enxugamento no Bolsa Família, o governo se recusava a apresentar informações à imprensa e à Câmara, que cobrava respostas.

Sem dinheiro, a equipe de Bolsonaro passou a controlar o acesso ao programa a partir de junho de 2019. A fila chegou a 1 milhão de famílias em dezembro do ano passado e, no primeiro trimestre de 2020, a 1,6 milhão, segundo técnicos do governo que não quiseram ser identificados.

O valor extra para o Bolsa Família na pandemia permitiu que o Ministério da Cidadania incluísse cerca de 1,2 milhão de famílias. Isso, contudo, não representou uma retomada do programa ao período anterior aos cortes.

Norte e Nordeste ainda não se recuperaram totalmente (queda de aproximadamente 1,5%), enquanto que Sul e Sudeste registraram uma ampliação da cobertura —de 1,21% e 1,33%, respectivamente.

Barroso diz a Maia e Alcolumbre que ”há consenso médico” sobre necessidade de adiar eleições

/ Política

Presidente do TSE, Luís Roberto Barroso. Foto: Reprodução

Em reunião há pouco em seu gabinete, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, disse aos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, que há consenso médico para o adiamento das eleições municipais por algumas semanas, por causa da Covid-19.

Barroso conversou com oito especialistas (epidemiologistas, infectologistas, sanitarista, um físico especializado em estatística de pandemia e um biólogo).

“Todos os especialistas têm posição de consenso de que vale a pena adiar por algumas semanas, mas não deixar para ano que vem (2021) porque não muda muito do ponto de vista sanitário. Eles acham que agosto, setembro, a curva pode ser descendente. Endossaríamos, portanto, a ideia de adiar por algumas semanas”.

As informações são do site O Anagonista.

Ministério Público apura omissão em relação a aumento de casos de Covid em São Gonçalo

/ Bahia

O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) instaurou nesta segunda-feira (8) uma portaria de notícia de fato para apurar a omissão e falta de transparência pelo governo municipal de São Gonçalo dos Campos quanto às ações realizadas no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no município.

Segundo a promotora de Justiça Ítala Maria Braga, a prefeitura não divulgou a morte de uma pessoa vítima de Covid-19, retratando o caso ainda como suspeito. Ela também apontou que a gestão municipal não tem informado o investimento das verbas públicas e providências tomadas diante do ”crescente número de casos”.

Segundo os últimos boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo, o número de casos notificados da Covid-19 passou de 115, em 28 de maio, para 169 no último dia 6, sendo que os confirmados saltaram de sete para 18 no mesmo período. O registro da morte não consta nos boletins.

A promotora Ítala Maria Braga solicitou que o município envie informações e documentos que expliquem o ”descompasso entre os boletins divulgados e o crescente número de casos” e sobre ”eventuais modificações” que tenham gerado falta de transparência, inclusive quanto a morte de paciente com Covid-19 que foi atendida no hospital municipal.

Quem tem sangue tipo ”A” desenvolve forma grave da Covid-19 mais facilmente, diz estudo

/ Saúde

Pessoas com tipo sanguíneo A que contraem o coronavírus possuem probabilidade 50% maior de precisar de oxigênio ou entrar em ventilação mecânica. É o que aponta um estudo da chamada Iniciativa Genética Anfitriã da Covid-19, que reúne mil pesquisadores em 46 países.

Esses cientistas, de acordo com o jornal ”The New York Times”, estão analisando o DNA em busca de pistas para entender como o novo coronavírus age no corpo humano.

A idade e possuir doenças crônicas já foram entendidos como fatores que colocam as pessoas sob um risco maior de desenvolver casos mais graves da Covid-19. No entanto, a ideia dos geneticistas é identificar, por meio do DNA, pacientes que vão precisar de tratamento mais agressivo.

Segundo Andre Franke, geneticista molecular da Universidade de Kiel, na Alemanha, foram analisadas amostras de DNA de 1.610 pacientes que precisaram receber oxigênio ou se submeter ao respirador artificial.

Os pesquisadores sequenciaram 9 milhões de letras genéticas do genoma de cada paciente, e depois fizeram a mesma coisa em 2.205 doadores de sangue que não tiveram a doença.

Um número alto de pacientes que ficaram em estado grave compartilhavam as mesmas variantes. Os cientistas acharam dois ”loci”, que são pontos no genoma. Em um desses lócus, encontra-se o gene que determina o tipo sanguíneo de cada indivíduo.

Ninguém sabe ao certo o por quê o tipo sanguíneo A é o que tem mais chances de desenvolver um caso grave da doença, mas um estudo chinês já tinha compartilhado dos mesmos resultados.

O outro lócus, presente no Cromossomo 3, aponta uma ligação mais forte com a Covid-19, mas ainda não é possível qual dos 6 genes presentes lá influencia no avanço da doença no corpo.

O estudo foi iniciado em fevereiro, quando a doença começou a ganhar força no mundo inteiro. Franke chamou os seus colegas para colaborarem com médicos da Espanha e da Itália para identificar as variações genéticas presentes nas pessoas que tinham casos mais graves da Covid-19.

Comissão pede informações sobre recursos para compra de respiradores do Consórcio Nordeste

/ Nordeste

A Comissão Parlamentar Interestadual de Acompanhamento e Fiscalização do Consórcio Nordeste promoveu nesta segunda-feira (8), sua primeira reunião e decidiu solicitar dos governos estaduais informações sobre a fonte dos recursos utilizados para a compra dos respiradores que resultou em prejuízo de R$ 49 milhões para a região.

Na Bahia, além do deputado Sandro Régis (DEM), líder da oposição na Assembleia Legislativa (AL-BA), participaram os parlamentares Alan Sanches (DEM) e Tiago Correia (PSDB), vice-líderes do bloco. Durante o encontro, realizado por videoconferência, os deputados baianos levantaram uma série de questões sobre o consórcio.

”No caso da compra dos respiradores, a Bahia fez a compra em nome dos outros estados. Ou seja, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), como presidente do consórcio, fez um convênio com ele mesmo para que, através da Secretaria da Saúde (Sesab), comprasse os respiradores. Isso precisa ser esclarecido”, disse Régis.

Para Correia, essa compra deveria ter passado pelo crivo das procuradorias dos demais estados. Contudo, existe a informação que na ata de constituição do consórcio, à qual os parlamentares da comissão ainda não tiveram acesso, diz que os pareceres jurídicos da procuradoria da Bahia, por ser Estado líder, seriam suficientes.

”Qual é o CNPJ, o objeto social do consórcio, ou existe apenas uma ata de constituição? No caso dos respiradores, qual foi a fonte dos recursos usados para o pagamento? Os estados usaram a mesma fonte ou cada qual fez da maneira que quis? Além disso, por que os estados entraram com valores diferentes para constituir o consórcio, qual foi o critério para isso? São questões que precisam ser respondidas”, pontuou Correia.

Os deputados da comissão decidiram também encaminhar pedidos de informações aos governos estaduais  sobre a compra dos respiradores e sobre a estrutura administrativa e despesas de manutenção do consórcio.

Economia brasileira deve encolher 8% em 2020 e terá recuperação fraca, projeta Banco Mundial

/ Economia

A economia brasileira deve encolher 8% em 2020, um dos piores resultados globais, de acordo com estimativas divulgadas nesta segunda-feira (8) pelo Banco Mundial. Em janeiro, a instituição projetava crescimento de 2% para o Brasil neste ano.

Além de ter uma retração superior à média mundial de 5,2%, o país terá uma recuperação mais lenta. A projeção de crescimento para 2021 é de 2,2%, pouco mais da metade do crescimento mundial de 4,2% esperado para o próximo ano.

”A economia global sofrerá contração de 5,2% neste ano. Isso representaria a recessão mais profunda desde a Segunda Guerra Mundial, com a maior proporção de economias desde 1870 a experimentar declínio do produto per capita [90% dos países, ante 85% na Grande Depressão dos anos 1930]”, afirma o Banco Mundial em sua publicação ”Global Economic Prospects”.

As economias avançadas devem encolher 7%. As emergentes e em desenvolvimento, 2,5%, em sua primeira contração como grupo em pelo menos 60 anos.

”A expectativa de declínio para a renda per capita é de 3,6%, o que levará milhões de pessoas à situação de pobreza extrema neste ano”, afirma a instituição.

As estimativas consideram que a pandemia se atenue o suficiente para permitir a suspensão das medidas de distanciamento social até meados deste ano nas economias avançadas e um pouco mais tarde nas economias emergente e em desenvolvimento.

Se isso não se confirmar, em um cenário mais negativo, a contração do PIB mundial poderia chegar a até 8% neste ano, seguida de uma recuperação de apenas 1% em 2021.

Entre os países desenvolvidos, a economia dos EUA deve contrair 6,1% neste ano, e a da Zona do Euro deverá encolher 9,1%, com recuperação de 4% e 4,5%, respectivamente, no próximo ano.

Para a China, a estimativa é de crescimento de 1% neste ano e 6,9% em 2021.

Entre as 14 recessões dos últimos 150 anos, a atual seria classificada como a 4ª mais profunda (seguida pelos períodos de 1914, 1930-32 e 1945-46). Espera-se uma queda de 6,2% para o PIB (Produto Interno Bruto) per capita, maior queda desde a Segunda Guerra Mundial.

“As perspectivas são extremamente incertas com o predomínio de riscos no sentido descendente, incluindo a possibilidade de uma pandemia mais prolongada, instabilidade financeira e retração do comércio global e cadeias de suprimento.”

Segundo a instituição, a contração no Brasil está ligada, principalmente, às medidas de contenção da propagação do vírus, investimentos em queda e redução nos preços de commodities.

A recuperação em 2021 pressupõe uma reversão desses fatores, além da retomada das discussões sobre as reformas tributária e do ambiente de negócios, ”agenda que foi colocada em espera para priorizar a resposta à Covid-19”.

De acordo com o banco, as economias de mercado emergente e em desenvolvimento com espaço fiscal disponível e condições de financiamento economicamente acessíveis deveriam considerar estímulos adicionais se persistirem os efeitos da pandemia.

”Isto deveria ser acompanhado de medidas para ajudar a restaurar a sustentabilidade fiscal de médio prazo, incluindo medidas que fortaleçam os quadros fiscais, aumentem a mobilização de receita interna e eficiência das despesas, e elevem a transparência fiscal e da dívida.”

Segundo a instituição, a crise afeta mais os países em que a pandemia foi mais grave e onde há forte dependência do comércio global, do turismo, da exportação de produtos primários e do financiamento externo. Esse é o caso do Brasil.

Em relação aos países emergentes, o Banco Mundial diz que as interrupções no sistema escolar e no acesso à atenção de saúde primária provavelmente terão impactos duradouros no desenvolvimento do capital humano.

Rede social em tempo de isolamento

/ Artigos

Manuela Berbert é publicitária.

Somos as nossas conexões. A nossa rede de relacionamentos, que começa ainda na infância com a família e que se estende ao longo da vida, com os ciclos de amizade e relacionamento amoroso, colegas de trabalho etc. Um vai e vem de pessoas e momentos, e com eles, claro, lições e inúmeros aprendizado. E ”se você nasceu com uma visão privilegiada, o seu papel não é abrir guerra contra quem pensa diferente, mas sim levar adiante o que tem de conhecimento”, escutei dia desses, e concordo demais.

Com a crise mundial do COVID-19 e o isolamento social, as conexões virtuais nunca estiveram tão em alta. O universo digital tomou ainda mais força, e com a ela a necessidade de reinventar formas de estar presente, de ser presente. As fórmulas prontas já não constroem resultados significativos, conseguindo até manter um certo “espaço”, mas não gerando audiência. (E isso vai impactar diretamente nas próximas eleições, mas esse assunto é pauta para outro texto).

Há exatamente uma semana iniciei um projeto no Instagram chamado Manu Convida Mulheres. Doze mulheres, das mais diversas áreas e atuações profissionais, estão sendo convidadas a contar suas histórias. E quantas histórias lindas de superação e crescimento temos! Todas narradas com erros e acertos, mas com muita coerência nas falas e atitudes, inclusive nos elogios aos parceiros que validam e incentivam seus progressos. Não há necessidade de rivalidade entre gêneros. O que há é necessidade de igualdade entre todos.

Há algumas semanas convidei um amigo para pautar um tema específico, e fui ignorada. Lembrei que todos os nãos que a vida me deu, transformei. E assim nasceu um projeto que vem inspirando centenas de pessoas por dia. Com toda certeza, colocarei mais esse trecho no meu livro da vida: quando uma pessoa tentou ”abafar” a minha voz, eu dei voz e espaço a doze, com o sorriso no rosto e a delicadeza que toda mulher forte tem!

Manuela Berbert é publicitária.