Ministra Damares defende prisão de governadores que adotaram isolamento social

/ Brasília

Ministra defende prisão de governadores. Foto: Anderson Riedel

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu, durante a reunião ministerial do dia 22 de abril, a prisão de alguns governadores que adotaram o isolamento social na pandemia do coronavírus.

No vídeo da reunião divulgado na última sexta-feira (22) como prova da tentativa de interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, Damares afirmou que aquela tinha sido uma decisão de seu ministério.

”Idosos estão sendo algemados e jogado dentro de camburões no Brasil. Mulheres sendo jogadas no chão e sendo algemadas por não terem feito nada… feito nada. Nós estamos vendo padres sendo multados em noventa mil reais porque estavam dentro da igreja com dois fiéis. A maior violação de direitos humanos da história do Brasil nos últimos trinta anos está acontecendo neste momento, mas nós estamos tomando providências”, disse.

A ministra usou como exemplo uma fake news divulgada pelo blogueiro ”Terça Livre”, de que o governador do Piauí Wellington Dias (PT) teria autorizado a entrada da polícia nas residências sem mandado judicial.

”Inclusive, o governador Wellington, agora, ontem, determinou que a polícia poderá entrar nas casas. Vocês não imaginam o que ele vai fazer! Poderá entrar na casa […] A polícia poderá entrar na casa sem mandado. Então, assim, as maiores violações estão acontecendo nesses dias. Então, nós estamos fazendo um enfrentamento, mais de cinco procedimentos o nosso ministério já tomou iniciativa e nós estamos pedindo inclusive a prisão de alguns governadores”.

Vídeo de reunião deve abrir novas frentes de investigação contra Bolsonaro e ministros

/ Brasília

Vídeo de Bolsonaro gera repercussão negativa. Foto: Isac Nóbrega

A divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril deve gerar novas frentes de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ministros do governo.

A avaliação é de investigadores da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República (PGR), ouvidos reservadamente pela Folha, que apontam os ataques do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ao STF (Supremo Tribunal Federal) como uma causa inevitável de apuração.

Outro alvo deve ser o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Ele defendeu na reunião no Planalto que o governo federal aproveitasse a crise do novo coronavírus para aprovar reformas infralegais, incluindo alterações ambientais, sem o devido controle social.​

Segundo pessoas ligadas às investigações, a existência de um sistema paralelo de informações, citado por Bolsonaro na reunião para cobrar ministros da área, deve gerar um filhote do inquérito que apura a intervenção do presidente da República na Polícia Federal apontada por Sergio Moro ao deixar o governo.

O propósito seria o de apurar se o mandatário recebia dados sigilosos de uma rede de informantes extraoficial, alheio a órgãos como a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), ou se contava com um aparato clandestino para espionar pessoas.

”O meu [sistema] particular funciona. Os ofi… que tem oficialmente, desinforma [sic]”, disse o presidente na reunião. A possível existência de um núcleo privado de inteligência a serviço do presidente veio pela primeira vez à tona no ano passado na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News.

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que ouviu a história do ex-ministro Gustavo Bebianno, secretário-geral da Presidência no começo do governo. Bebbiano confirmou o relato no dia 2 de março em entrevista ao programa Roda Viva. Duas semanas depois, o ex-ministro morreu de infarto aos 56 anos.

Na reunião, Bolsonaro admite seus canais privados de informação ao reclamar que não iria esperar “foder” a sua família ou amigos ”de sacanagem”. ”Prefiro não ter informação do que ser desinformado por sistema de informações que eu tenho”, reclamou o presidente.

O ministro do STF Celso de Mello reservou um capítulo específico da decisão para criticar a “descoberta fortuita de prova da aparente prática, pelo ministro da Educação, de possível crime contra a honra dos ministros do STF”.

E determinou a entrega de cópia integral do vídeo aos colegas de Supremo para que possam ”adotar as medidas que julgarem pertinentes” em relação à declaração de Weintraub de que, por ele, botaria ”todos esses vagabundos na cadeia, começando pelo STF”.

O decano do STF fez questão de transcrever as palavras de Weintraub e classificou o discurso como “gravíssimo” e ”aparentemente ofensivo ao patrimônio moral” dos integrantes do Supremo.

Ele também ressaltou que, apesar de este não ser o objeto do inquérito em que proferiu a decisão, “a prova penal daí resultante reveste-se de plena eficácia jurídica”.

Neste sábado (23), o líder da Rede no Senado, Randolfe Rodrigues (AP), anunciou que entrou com uma ação no Ministério Público Federal contra Weintraub. A representação pede que sejam investigados os crimes de responsabilidade e contra a Lei de Segurança Nacional em relação às declarações contra o STF. Com informações da Folha de SP

Prefeitura de Nova Soure contesta dados da Sesab relativos à Covid-19 no município

/ Saúde

A secretaria de Saúde de Nova Soure contestou os dados divulgados pelo boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) nesta sexta-feira (22), no qual a cidade aparece com a maior média de crescimento da contaminação pelo novo coronavírus nos últimos cinco dias na Bahia. Segundo a Sesab , o número de contaminados em Nova Soure cresceu 141,5% por dia nos últimos cinco dias, totalizando 43 casos da doença.

No entanto, em contato com o Bahia Notícias, a secretaria de Saúde do município afirmou haver apenas 10 casos confirmados, sendo 5 a partir de análise laboratorial e outros 5 diagnosticados a partir de teste rápido.

”O município de Nova Soure veem desempenhando uma trabalho árduo para monitorar sua população no que tange os casos de COVID 19, hoje temos 10 casos confirmados sendo 05 curados e 05 em isolamento domiciliar. Esses dados estão sendo enviados diuturnamente para o NRS Nordeste. O próprio boletim da Sesab informa apenas 05 casos confirmados até o momento, e sugere 38 casos a serem validados,porém esse dado sobre validação também não procede. Já enviamos o nosso questionamento tanto para o NRS, quanto a DIVEP, pois a nossa equipe veem seguindo todas as orientações solicitadas”, disse o secretário municipal de Saúde, Ernesto da Costa Lima Júnior, em nota.

De acordo com a Sesab, o município possui três confirmações por  testagem laboratorial, um enquadrado na categoria clínico epidemiológico e outro resultado de teste rápido. No mesmo boletim, 38 casos aguardam validação do município, casos considerados confirmados pela pasta estadual.A Bahia registra um total de 12.577 confirmados. O dado geral considera também as menções a serem validadas pelos municípios.  Com informações do Bahia Notícias