Boletim epidemiológico: Estado da Bahia registra 3.140 casos de Covid-19 e 117 óbitos

/ Bahia

A Bahia registra 3.140 casos confirmados de Covid-19, o que representa 21,3% do total de casos notificados no estado. Considerando o número de 697 pacientes recuperados e 117 óbitos, 2.326 pessoas permanecem monitoradas pela vigilância epidemiológica e com sintomas da Covid-19, o que são chamados de casos ativos.

Os casos confirmados ocorreram em 137 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (63,54%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 1.000.000 habitantes são: Ilhéus (1336,81) Uruçuca (1072,18), Itabuna (923,92), Coaraci (765,02) e Salvador (694,55).

O boletim epidemiológico registra 7.931 casos descartados e 14.743 notificações em toda a Bahia. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais.

Taxa de ocupação

Na Bahia, dos 791 leitos disponíveis do Sistema único de Saúde (SUS) exclusivos para Covid-19, 306 possuem pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 39%. No que se refere aos leitos de UTI adulto e pediátrico, dos 318 leitos exclusivos para o coronavírus, 159 possuem pacientes internados, compreendendo uma taxa de ocupação de 50%. Cabe ressaltar que novos leitos serão abertos progressivamente mediante o aumento da demanda.

Óbitos

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contabiliza 117 mortes pelo novo coronavírus nos seguintes municípios: Adustina (1); Água Fria (1); Araci (1); Belmonte (1); Camaçari (1); Capim Grosso (1); Catu (1), sendo que a paciente foi contaminada na capital baiana; Feira de Santana (1); Gongogi (2); Ilhéus (5); Ipiaú (2); Itabuna (3); Itagibá (1); Itapé (1); Itapetinga (2); Juazeiro (1); Lauro de Freitas (5), um dos óbitos era residente no Rio de Janeiro; Nilo Peçanha (1); Salvador (76); Ubaitaba (1); Uruçuca (4); Utinga (1); Vitória da Conquista (3). Estes números contabilizam todos os registros de janeiro até as 17h horas desta sexta-feira (1º).

115° Óbito: mulher de 71 anos residente em Salvador. Apresentou os primeiros sintomas no dia 12 de abril, indo a óbito no dia 30 de abril, em um hospital público da capital. Ela tinha doença cardiovascular, hipertensão arterial e diabetes.

116° Óbito : homem de 49 anos residente em Ilhéus. Apresentou os primeiros sintomas no dia 14 de abril e foi a óbito no dia 30 de abril em um hospital público de Salvador. Não tinha registro de comorbidades.

117° Óbito: homem de 45 anos residente em Salvador. Apresentou os primeiros sintomas no dia 10 de abril e foi a óbito em um hospital provado da capital no dia 30 de abril. Não rinha registro de comorbidades.

Faixa etária

Quanto ao sexo dos casos confirmados, 58,78% foram do sexo feminino. A faixa etária mais acometida foi a de 30 a 39 anos, representando 27,39% do total. O coeficiente de incidência por 1.000.000 de habitantes foi maior na faixa etária de 80 anos ou mais (469,61/1.000.000 habitantes), indicando que o risco de adoecer foi maior nesta faixa etária, seguida da faixa de 30 a 39 anos (374,87/1.000.000 habitantes).

Presidente da Caixa Econômica afirma que é impossível acabar com filas em agências

/ Economia

Presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães. Foto: Divulgação

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães afirmou nesta sexta-feira (1º) que é impossível acabar com as filas nas agências bancárias durante o período de pagamento do auxílio emergencial de R$ 600. Segundo ele, o banco está fazendo o possível para reduzir aglomerações e adotou medidas como ampliação de horário de atendimento e contratação de mais funcionários.

Nas últimas semanas, após a liberação do auxílio emergencial a trabalhadores informais, diversas cidades registraram filas, pessoas dormindo em frente às agências, cadastrados se aglomerando, sem respeito ao distanciamento social para evitar contaminação pelo novo coronavírus.

“Sabemos que houve nesta semana uma aglomeração grande. Estamos trabalhando para resolver… Resolver, não. Não há nenhuma possibilidade de se pagar 50 milhões de pessoas em três semanas e não existir fila. Isso não existe. Não vou prometer o que é impossível. O que nós faremos é mitigar, reduzir as filas”, disse em entrevista por videoconferência.

De acordo com o presidente, no primeiro mês de vigência do auxílio, não houve separação dos dias de pagamento a beneficiários do Bolsa Família e outros cadastrados, o que levou a um acúmulo na demanda.

Para este mês, o banco vai anunciar um novo cronograma de pagamentos para evitar essa coincidência de datas. Os repasses da segunda parcela do auxílio, anteriormente previstos para o fim de abril, devem ser iniciados apenas na próxima semana.

Guimarães afirma que muitas pessoas que poderiam resolver pendências pelo aplicativo ou telefone também acabam se deslocando às agências. Na lista de ações para minimizar esse problema, ele informou que cerca de três mil vigilantes foram contratados para organizar as filas –outros dois mil devem entrar em atividade nesta semana. Também foi reforçado o número de recepcionistas.

Para ampliar o atendimento, 1.600 agências estão abrindo duas horas mais cedo. O banco também colocou agências para funcionar aos sábados. Guimarães afirmou ainda que a Caixa buscou ajuda de prefeituras para que auxiliem na organização das filas.

Até esta quinta-feira (30), a Caixa havia confirmada o pagamento do auxílio a 50 milhões de beneficiários. Segundo o banco, 26 milhões de pessoas que se cadastraram são inelegíveis por não cumprirem algum dos requisitos do programa. Elas poderão contestar o resultado pelo site ou aplicativo.

Outros 12,4 milhões de inscritos estão com status ”inconclusivo”. Uma das hipóteses é o preenchimento errado de alguma informação. Nesse caso, é possível fazer nova solicitação, também pela internet.

Ex-ministro de Bolsonaro, Sergio Moro prestará depoimento à Polícia Federal neste sábado

/ Justiça

Moro prestará depoimento à Polícia hoje. Foto: Exstadão

O ex-ministro Sergio Moro prestará depoimento à Polícia Federal neste sábado (2), em Curitiba, para falar sobre as acusações feitas contra o presidente Jair Bolsonaro ao sair do governo.

A oitiva foi marcada após o ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), dar o prazo de cinco dias para a corporação ouvir o ex-ministro.

Moro deve detalhar as declarações dadas ao pedir demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, no último dia 24. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que tem provas para incriminar Bolsonaro e disse que as apresentaria à Justiça.

Moro acusou o chefe do Executivo de tentar interferir na autonomia da PF para ter acesso a relatórios de inteligências e a investigações em curso, o que não é permitido pela legislação.

Para isso, Bolsonaro queria exonerar Maurício Valeixo do comando da instituição, o que gerou o atrito com o então ministro Moro, e nomear alguém que tivesse relação direta.

Ao se despedir do governo, o ex-juiz da Lava Jato disse que o desejo do chefe do Executivo era indicar Alexandre Ramagem para o comando do órgão.

Ramagem foi chefe da segurança de Bolsonaro após ele ter sido eleito presidente, quando se aproximou da família seztornou amigo do vereador Carlos Bolsonaro, investigado pela PF sob suspeita de articular esquema de disseminação em massa de informações falsas.

Bolsonaro nomeou, de fato, Ramagem para o cargo. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, no entanto, suspendeu a indicação por entender que não observava os princípios da impessoalidade e da moralidade pública. Além dos integrantes da PF, três procuradores da República acompanharão o depoimento.

Pelo menos 14 dos 21 postos do SAC no interior da Bahia vão prestar serviços essenciais

/ Bahia

O regime especial do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) vai expandir para mais sete unidades no interior do estado da Bahia durante o período de pandemia. Os postos do SAC Alagoinhas, Conquista I, Eunápolis, Feira II , Irecê, Porto Seguro e Teixeira de Freitas passarão a fazer atendimentos, seguindo as restrições durante a crise do coronavírus, a partir da próxima segunda-feira (4).

Solicitação de RG, CPF, Carteira de Habilitação e entrada no Seguro-Desemprego, considerados serviços essenciais, serão os serviços disponíveis nos postos. Para que o atendimento seja realizado, é preciso agendar o horário de atendimento através do site do SAC Digital.

Para solicitações de documentos feitos no posto Conquista II, a assessoria da Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb) esclarece que as entregas serão feitas na unidade Conquista I. Os SACs Feira II e Senhor do Bonfim estão com horário especial, funcionando de 7h às 15h30, o primeiro, e de 9h às 13h, o segundo. O restante das unidades funciona em horário normal.

Com a retomada dos serviços nesses postos, 14 dos 21 SACs do interior do estado estarão realizando atendimento. Os postos de Jacobina, Paulo Afonso, Senhor do Bonfim, Barreiras, Guanambi, Brumado e Santo Antônio de Jesus também estão funcionando. Em Salvador, as unidades do Comércio, Pernambués, Cajazeiras e Pau da Lima estão atendendo também seguindo o regime especial.

Governo não tem plano para ampliar pagamento do auxílio de R$ 600, diz secretário

/ Economia

O governo ainda não definiu se o número de parcelas do auxílio emergencial de R$ 600 pago a informais poderá ser ampliado, afirmou nesta sexta-feira (1º) o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

O programa, aprovado pelo Congresso para minimizar os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre parcela vulnerável da população, prevê o repasse de três parcelas aos beneficiários habilitados.

Em entrevista coletiva, o secretário ressaltou que o custo gerado pelos programas emergenciais será arcado pelo contribuinte.

”Não está desenhado se haverá um aumento de uma nova parcela, não é esse o ponto. Estamos analisando todos os itens, vendo critérios de efetividade e o impacto sobre as contas públicas, impacto de um custo que a sociedade vai arcar, é o contribuinte que arca com esse recurso”, afirmou.

Após a aprovação da medida pelo Congresso, o governo previu que o programa alcançaria 54 milhões de pessoas, a um custo de R$ 98 bilhões aos cofres públicos.
Com a ampliação do número de cadastrados, as estimativas foram revistas e o benefício deve chegar a 70 milhões de pessoas.

Na última semana, o governo liberou mais R$ 25,7 bilhões para viabilizar o pagamento de todas os benefícios.

Nesta quinta-feira (30), a Caixa Econômica informou que o auxílio foi disponibilizado, até o momento, para 50 milhões de pessoas -19,2 milhões do Bolsa Família, 10,5 milhões do cadastro único de programas sociais do governo e 20,3 milhões de informais que se cadastraram no site ou no aplicativo da Caixa.