Casal de Salvador e mais sete pessoas ligadas a feirense com coronavírus são monitoradas

/ Saúde

Bahia já registrou dois casos do coronavírus. Foto: Betto Jr./Correio

Pelo menos nove pessoas são monitoradas, em Feira de Santana, onde o primeiro caso de coronavírus na Bahia foi confirmado na última sexta-feira (6). O monitoramento é realizado pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), junto com a vigilância municipal da cidade. A paciente com o vírus é monitorada de casa, com o marido e duas filhas. Quatro amigos – dois deles moradores de Salvador – que viajaram com ela e o esposo para o exterior e duas secretárias da paciente também são acompanhados.

A mulher de 34 anos que teve o diagnóstico positivo de Covid-19 da Bahia retornou da Itália no dia 25 de fevereiro. Ela passou por Milão e Roma na companhia do marido e de dois casais de amigos e procurou o Hospital Cárdio Pulmonar, em Salvador, três dias depois de retornar. O outro casal mora em Feira de Santana. As informações foram confirmadas ao CORREIO pela infectologista Melissa Falcão, coordenadora do Comitê Gestor Municipal de Controle ao Coronavírus, em Feira de Santana.

Somente a paciente, cujo nome e a profissão não foram divulgadas, está em isolamento domiciliar, com máscara. O marido dela e as duas filhas também estão em casa, com máscara, mas não há suspeita de que também estejam com coronavírus, pois nenhum sintoma foi manifestado. Por isso, os três podem sair de casa normalmente.

As duas filhas, no entanto, não foram para escola no dia em que a mãe teve o diagnóstico confirmado. A própria paciente, que está assintomática, sairá do isolamento na próxima segunda-feira (9), quando está encerrado o tempo de contágio.

O Colégio Helyos publicou, no Instagram, que as crianças são alunas da escola e que pediu a ausência das duas nas aulas. ”Aos alunos, crianças e jovens, recomendamos fortemente que não frequentem o Colégio se apresentarem sintomas de resfriado/gripe. Ao corpo de funcionários/professores, estendemos e cobramos essa orientação”.

O titular da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-BA), Filipe Vieira, explicou que a dispensa de alunos, por parte das escolas, que não apresentam sintomas do coronavírus ou de qualquer outra doença é ilegal. As informações são do Correio