Prefeito de Jaguaquara diz que Zé Cocá e Antônio Brito brigaram e que Santa Casa é usada para fins políticos

/ Política

Prefeito diz que Brito tem brigou com Cocá. Foto: Blog Marcos Frahm

O prefeito de Jaguaquara, Giuliano Martinelli (PP), decidiu apimentar o processo pré-eleitoral do município com declarações bombásticas e duras críticas a quem ensaia lhe tirar do poder nas eleições de 2020. Com um discurso que busca desqualificar opositores, o prefeito aproveitou a entrevista que concedeu a uma emissora de rádio local, na sexta-feira (06/09) para apontar sua metralhadora giratória para os adversários, tendo como principais alvos o ex-prefeito Ademir Moreira, seu padrinho político, e o deputado federal Antonio Brito.

Comparando as ações da oposição política a um circo, Martinelli disparou: ”Nesse circo só faltava um palhaço mágico porque palhaçada já tinha demais. Eles acharam que era o deputado Antonio Brito porque o palhaço vem para entretenimento e o mágico é aquele que vive de meramente enganar o povo, porque a mágica é a arte de enganar, ela não é real”. O prefeito classifica essa atuação toda de farsante. Mais adiante, o chefe do executivo teve um comportamento ainda mais agressivo ao dizer: ”Não posso entregar a cidade a irresponsáveis, a ladrões, o termo é esse, ou a pessoas que querem exclusivamente se apoderar da prefeitura para garantir seu sustento ou melhorar ainda mais seu patrimônio”.

Ainda na opinião de Martinelli, o deputado federal Antônio Brito nunca se preocupou com Jaguaquara e agora adota o discurso de que resolverá os problemas do Município. Citou que, na condição de prefeito, foi três vezes ao gabinete do deputado, em Brasília, onde diz ter solicitado ajuda para a abertura da UPA e o resultado todos conhecem “e agora vem enganar o povo dizendo que vai resolver o problema da UPA?” questionou. Giuliano expôs ainda o relacionamento entre o federal Antônio Brito e o deputado estadual Zé Cocá. Segundo o prefeito, os dois não caminham juntos em Jequié nem em Jaguaquara. ”Antônio Brito tem uma briga pessoal com Zé Cocá”, revelou, justificando que Brito alega que Cocá pegou carona na votação dele em Jequié, o que discorda, e prever que Antônio Brito perderá a disputa nas duas cidades em 2020.

A ofensiva continuou com o prefeito acusando o deputado federal Antônio Brito de tirar proveito da imagem da Santa Casa [Jequié]. ”Em Jequié, as pessoas se enganam com o trabalho de Antônio Brito veiculado a Santa Casa São Judas, sendo que a Santa Casa no faz favor a ninguém, é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, custeada pela União. Nada que ele faz ali é favor ninguém. Embora seja uma instituição filantrópica o deputado sabe fazer com fins políticos, que a única coisa que vejo mais é cabide de emprego para cabo eleitoral de diversos municípios”, denúncia.

Confiante, prefeito de Jaguaquara ignora adversários, descarta aliados e pretende lançar uma mulher

/ Jaguaquara

Secretária Edione volta a ser citada pelo prefeito. Foto: Flávio Silva

Se considerando imbatível, o prefeito de Jaguaquara, Giuliano Martinelli (PP), acha que o nome que apresentar em 2020 vencerá a disputa pela prefeitura da maior cidade do Vale do Jiquiriçá. Foi o que evidenciou durante entrevista à rádio Povo na sexta-feira (06/09). Martinelli argumenta que seu histórico de sucessivas vitórias eleitorais o coloca numa condição de favorito. Porém, já não tem a mesma segurança quando o assunto é a candidatura que pretende lançar para a sua sucessão.

Inicialmente, anunciou que não abriria mão de indicar a secretária de Desenvolvimento Social, Edione Agostinone. Hoje a conversa é outra. Admite que existem outras duas alternativas. Uma dela é Bruna Oliva, ex-diretora do Hospital Municipal de Jaguaquara (HMJ), atualmente cursando medicina em Vitória da Conquista e o terceiro nome prefere revelar somente em janeiro do próximo ano, quando o gestor diz que a política começará para ele.

Se depender da vontade de Giulinao, sua sucessora será uma mulher. Para muitos, no entanto, a tática do prefeito de ignorar os adversários e descartar aliados prematuramente de sua lista de possíveis postulantes pode lhe trazer consequências nas urnas. O fato de o prefeito monopolizar uma decisão tão importante, por si só, provoca grande mal-estar entre seus apoiadores, sobretudo os que desejam concorrer ao cargo a exemplo dos vereadores Élio Boa Sorte (PP)  e Francisnei, o Nei Cabeludo (PSL), apenas para citar dois exemplos dos que sonham governar o município.

Embora ninguém fale publicamente, o clima de insatisfação é notório, pois Martinelli estaria agindo como se fosse capaz de vencer uma eleição sozinho, e ”não é de hoje que tem sido alertado de que política é grupo”, revela uma fonte. Por outro lado, a confiança de Martinelli é muito grande de que vencerá o pleito e garantirá a continuidade administrativa.

Para Giuliano, o grupo de oposição que pretende disputar a Prefeitura representa um circo e diz que não pode entregar a cidade a ladrões. ”Sou um homem confiante, isso é fato. Não vejo nada a temer, para encarar 2020, seja mulher ou seja o candidato, homem, a minha opção já deixei bem claro que será uma mulher”. Apesar de afirmar que em janeiro irá revelar um terceiro nome, o mandatário voltou a citar Edione, que foi lançada por ele em março deste ano, também durante declaração em programa de rádio.

Durante abordagem a ônibus na BR-116, em Jequié, PRF prende homem com mandado de prisão

/ Polícia

A Polícia Rodoviária Federal em fiscalização de combate à criminalidade, no km 677 da BR 116, UOP 01, município de Jequié,  abordou um ônibus da Gontijo, que fazia linha, Rio de Janeiro, na manhã deste sábado (07) de Setembro.

Ddurante a fiscalização e procedimentos de consulta, foi verificado que constava um mandado de prisão em desfavor de F. de A. B. A., pelo crime de furto qualificado, praticado na cidade de Teófilo Otoni – MG, De pronto, a equipe PRF deu voz de prisão ao infrator, conduzindo-o, para a Policia judiciária local para os procedimentos de praxe.

Em Santo Antônio de Jesus, acidente com artefato explosivo deixa feridos durante desfile

/ Bahia

Um acidente com artefato explosivo de efeito sonoro deixou feridos no desfile em comemoração ao Sete de Setembro, na cidade de Santo Antônio de Jesus.

De acordo com nota do 14º Batalhão da Polícia Militar ao site Voz da Bahia, não há pessoas feridas gravemente. As vítimas foram atendidas por policiais militares, pelo Samu e por profissionais de saúde do município.

O artefato foi lançado durante a exibição da Guarnição Rondesp Leste. No entanto, em função do desnível da via, rolou do centro para a margem, na altura do gradil, onde explodiu. Os estilhaços de borracha e plástico atingiram algumas pessoas, causando ferimentos superficiais, uns com sangramento, outros com rubor e inchaço.

”O uso de artefatos dessa natureza em desfiles cívico-militares é comum, feito com ambiente controlado e para propiciar uma boa demonstração ao público. Infelizmente, em função do quanto descrito, fatores indesejáveis desencadearam o acidente, que será apurado. O 14º Batalhão lamenta o ocorrido”, afirma o comunicado.

Bahia vence o Vasco em São Januário por 2 a 0 e entra no G6 do Campeonato Brasileiro

/ Esporte

Gilberto foi autor do segundo gol do Bahia. Foto: Thiago Ribeiro

O final de semana não poderia começar melhor para a torcida tricolor. Na manhã de hoje (7), o Bahia venceu o Vasco pelo placar de 2×0, em São Januário, e entrou no G6 do Brasileirão. Os gols do jogo foram marcados por Nino Paraíba e Gilberto.

No primeiro tempo de jogo, poucas oportunidades para os dois lados. A melhor chegada foi do Vasco aos 10 minutos, quando Yago Pikachu cabeceou para fora.

A segunda etapa foi completamente diferente. Em duas chegadas, o tricolor baiano balançou as redes. Aos 10, Nino Paraíba aproveitou corte errado da zaga do Vasco e venceu Fernando Miguel. Aos 15, Gilberto recebeu lançamento de Lucas Fonseca, chutou com categoria e fez um golaço.

Com o resultado, o Bahia subiu para o 6º lugar com 30 pontos conquistados. O tricolor agora seca Internacional e Atlético/MG para seguir na zona de classificação para a Libertadores. A próxima partida será no próximo domingo (15), às 16h, na Fonte Nova, contra o Fortaleza.

Termina na próxima terça-feira consulta sobre novo tratamento de HIV-Tuberculose

/ Saúde

A adoção do dolutegravir, medicamento mais barato e com menos efeitos colaterais, no tratamento de pessoas infectadas simultaneamente pelo vírus HIV e pela tuberculose está sob consulta pública pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) e o Ministério da Saúde. Pacientes, especialistas, profissionais de saúde e demais interessados podem encaminhar suas manifestações até 11 de setembro por meio de formulário online.

O dolutegravir já é usado desde 2017 pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no tratamento de pessoas infectadas com o HIV, mas o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapeuticas atual contraindica seu uso junto com a rifampicina, utilizada no tratamento de tuberculose. Assim, os pacientes coinfectados com HIV e tuberculose (HIV-TB) são medicados com o raltegravir, mais caro.

O Ministério da Saúde (MS) solicitou então a incorporação do dolutegravir no tratamento de HIV-TB. Há estudos indicado boa tolerância ao medicamento. A economia esperada pelo governo é R$ 52 milhões pelos próximos cinco anos, segundo relatório preliminar do Conitec.

Em relatório preliminar, a recomendação inicial do Conitec foi pela incorporação do medicamento ao tratamento de HIV-TB pelo SUS, mas a depender das contribuições enviadas durante a consulta pública, essa recomendação inicial pode mudar, segundo o órgão.

Segundo o Ministério da Saúde, a chance de uma pessoa que vive com HIV ter tuberculose é 25 vezes maior que uma pessoa sem HIV. A infecção simultânea tem grande impacto na mortalidade dos portadores dessas doenças.

Todas as incorporações de tratamentos ao SUS são votadas em plenário pelo Conitec, que Conitec é formado por sete integrantes do MS, um para cada secretaria, e mais representantes dos Conselhos Federal de Medicina, Nacional de Saúde, Nacional das Secretarias Estaduais de Saúde, Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), da Agência Nacional de Saúde Suplementar e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Da Agência Brasil

Deputado Euclides Fernandes destaca importância do debate sobre o sistema eleitoral brasileiro

/ Política

Euclides representa a Al-BA em evento do TRE. Foto: Divulgação

O deputado Euclides Fernandes (PDT) representou o Poder Legislativo baiano durante I Colóquio Internacional de Direito Político e Eleitoral (Cindipel), realizado nesta sexta-feira (06/09), pela Escola Judiciária Eleitoral da Bahia (EJE-BA), na sede do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), localizada no Centro Administrativo (CAB), em Salvador. Segundo o pedetista, o evento colocou em pauta temas que necessitam de uma atenção especial por parte dos representantes do poder público.

”É uma forma de buscar caminhos. Foram abordados assuntos que envolvem a escolha eleitoral, por exemplo. Foi discutida, inclusive, a igualdade de condições nas eleições nas três esferas e nos três poderes”, afirmou o parlamentar.  Durante o encontro, cinco painéis foram apresentados com os respectivos assuntos: Os partidos políticos no regime democrático; Participação política e crise democrática; Mídias sociais, fake news e abuso de poder nas eleições; Os sistemas eleitorais no debate da reforma política; e Corrupção nas eleições e financiamento de campanhas eleitorais.

O evento, aberto ao público, contou com as presenças de representantes do Chile e de Portugal, e discutiu ainda a necessidade de mudanças no sistema eleitoral brasileiro, tendo em vista uma maior eficácia na defesa dos interesses da população. ”É necessário lembrar que qualquer alteração nas regras para a próxima eleição deve ser feita até o dia 6 de outubro deste ano. Além disso, nós, da classe política, como pessoas públicas, representantes do povo, precisamos estar por dentro desse tipo de discussão”, destacou Euclides Fernandes.

No Cindipel, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Tarcísio Vieira e Sérgio Banhos, foram homenageados com a Medalha do Mérito Eleitoral com Palma, outorgada pelo TRE-BA. Receberam a Medalha do Mérito Acadêmico Eleitoral Ministro Francisco Peçanha Martins, outorgada pela Escola Judiciária do TRE-BA, as juízas Patrícia Kertzman, membro do TRE-BA, e Renata Gil, presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, assim como o professor Jorge Miranda, doutor Honoris Causa em Direito, e Elke Petersen, servidora do TRE-BA e ex-coordenadora da EJE-BA. A comenda, criada em 2018, é concedida como forma de homenagear juristas, cientistas políticos, acadêmicos, professores, pedagogos e demais personalidades que tenham contribuído para o crescimento e desenvolvimento da EJE-BA. Também participaram, compondo a mesa do evento, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), desembargador Jatahy Júnior; os desembargadores Maurício Kértzman Szporer, Lidivaldo Britto, Mário Albiani Junior e Abelardo Paulo da Matta Neto; o procurador do Estado, Jorge Salomão Oliveira, que no ato representou o Governo do Estado; os juízes Daniel Castro (TRE-MT) e Diego Luiz Lima de Castro; e a presidente da Associação dos Magistrados da Bahia, Elbia Araújo.

 

”Amo meu País, assim como amo ser nordestino, ser baiano”, diz o governador Rui Costa

/ Política

Rui Costa diz que não prega vingança. Foto: Mateus Pereira

O governador Rui Costa (PT) afirmou que a diversidade ”cultural e até mesmo ideológica” faz parte da essência do país, em publicação no Facebook.

”Amo meu País, assim como amo ser nordestino, ser baiano. O Brasil é de berço uma nação plural, portanto a nossa diversidade cultural e até mesmo ideológica faz parte da nossa essência. O fato de sermos tão diferentes nos torna um país único no mundo e isso tem que ser motivo de orgulho pra gente”, escreveu o petista, ao celebrar a data da Independência do Brasil.

”Não pregamos separação entre as pessoas, nem o ódio, nem a vingança. Pregamos amor, tolerância e respeito ao próximo. Viva a Independência!”, completou.

Em meio a protestos, ACM Neto diz que veste sempre verde e amarelo: ”jamais de preto”

/ Política

Rui Costa e ACM Neto no desfile. Roberto Viana/BNews

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), declarou neste sábado (7) que sua vestimenta será sempre ”verde e amarelo” e que ”jamais vai vestir preto”. O chefe do Executivo Municipal fez alusão à convocação que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez a aliados para vestirem as cores da bandeira do Brasil em defesa da soberania nacional. O preto é a manifestação de opositores que convocaram a população para se manifestar contra as políticas do governo federal para a Amazônia.

Sobre os números do protesto, Neto comentou: ”Nem vi (pessoas vestindo preto), digo isso com todo o respeito. O dia de hoje é verde e amarelo”.

No entanto, a ameaça da soberania nacional pela atuação de ONGs, defendida por Bolsonaro na convocação dos protestos, não é percebida por Neto. ”Não concordo, acho que o Brasil é um pais que sua imagem e respeito estão acima de qualquer declaração do governo. A Amazônia, no que tange, é do território brasileiro”, falou. As informações são do Bahia Notícias

Em Salvador, Desfile cívico marca comemorações ao 7 de Setembro e é acompanhado por Rui e ACM Neto

/ Bahia

Autoridades políticas no palanque oficial. Foto: Mateus Pereira

O desfile cívico que marca a Independência do Brasil, comemorada em 7 de setembro, foi acompanhado pelo governador da Bahia, Rui Costa, na manhã deste sábado, em Salvador. Seguindo a hierarquia e tradição das Forças Armadas, Rui Costa presidiu a cerimônia por ser a maior autoridade do poder executivo presente no evento.

”É hora de pensar num Brasil que ofereça qualidade de vida à sua gente, um país que una e integre o povo brasileiro das diversas regiões, culturas, e até preferências políticas, mas o Brasil tem que caminhar unido pra superar os seus desafios. E o 7 de setembro é sempre uma data de reflexão sobre os próximos passos que o Brasil pode dar na direção de melhorar a vida de seu povo”, afirmou o governador Rui Costa. O ato cívico que marca os 197 anos de independência foi iniciado pelo coronel Luiz Eduardo Possídio Santos, chefe do Estado-Maior da 6ª Região Militar que passou em revista à tropa. A tropa foi apresentada ao governador Rui Costa e demais autoridades que estavam no palanque. Logo após foi realizado o hasteamento das bandeiras e o desfile iniciado.

”É uma festa democrática, em que a gente observa a participação de toda a população. E essa festa acaba sendo uma aula, fora da escola, em que todos nós, civis e militares, participamos para lembrar que o Brasil se tornou independente em 7 de setembro e temos a nossa independência a partir da independência da Bahia, no 2 de julho. É um momento de união e reflexão sobre o futuro do nosso país”, comentou o comandante da 6ª região militar, general Silva Alvim. Neste ano, o desfile que faz o percurso entre o Corredor da Vitória e a Praça Castro Alves, trecho de cerca de quatro quilômetros, tem a participação de quatro mil militares das Forças Armadas, além das Polícias Militar e Civil da Bahia, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e Salvamar.

O efetivo da Polícia Militar no desfile do 7 de setembro é de 1.630 policiais, entre aqueles que participam do desfile e os que realizam o policiamento do evento. O Centro de Operações Especiais da Polícia Civil levou uma novidade para o desfile deste ano, a apresentação na parada com canil, ala kids e policiais femininas. Os carros e equipamentos da polícia também abrilhantam o evento. A rede estadual de ensino também participa do desfile do 7 de setembro, com mais de 2.600 estudantes de 39 escolas estudais de Salvador e interior da Bahia neste sábado. As unidades de ensino tradicionalmente fazem muito sucesso com o público que acompanha a cerimônia por conta das bandas e fanfarras que se apresentam no desfile.

Presidente Bolsonaro interrompe desfile militar e faz gesto de apoio ao ministro Sérgio Moro

/ Brasília

Bolsonaro e Moro em desfile. Foto: Reprodução/Folha de S. Paulo

O presidente Jair Bolsonaro quebrou o protocolo neste sábado (7) e interrompeu a parada de Sete de Setembro. Em um gesto de apoio público, ele chamou o ministro da Justiça, Sergio Moro, e desfilou abraçado a ele pela Esplanada dos Ministérios. O aceno ocorreu após uma semana de constrangimentos entre ambos. Em café da manhã com a Folha, Bolsonaro sinalizou a troca do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o que seria mais uma ingerência do presidente na pasta.

A descida do presidente do camarote de autoridades não era prevista e pegou de surpresa o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que teve de organizar um esquema de segurança de última hora. O presidente desceu inicialmente sozinho. Depois, acenou para que Moro o acompanhasse. Além dele, caminharam ao lado de Bolsonaro os ministros Augusto Heleno (GSI) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil). Os empresários Silvio Santos (SBT), Edir Macedo (Record) e Marcelo de Carvalho (RedeTV), que acompanharam a parada na tribuna de autoridades, preferiram não participar da caminhada do presidente. Na tentativa de demonstrar que conta com apoio público, no momento em que a rejeição ao seu governo enfrenta uma queda, Bolsonaro cumprimentou simpatizantes à sua administração e brincou de reger a orquestra dos Dragões da Independência.

Mais tarde, em um novo aceno, o presidente vestiu um boné da PRF (Polícia Rodoviária Federal) durante a passagem do grupamento motorizado e aplaudiu o contingente da Polícia Federal. No último mês, a popularidade de Bolsonaro enfrentou uma erosão. A mais recente pesquisa Datafolha mostrou o aumento de 33% para 38% na reprovação de sua gestão de julho a agosto, com perda de apoio entre os mais ricos e os mais escolarizados. Para a cerimônia deste ano, ele liberou mais recursos do que seu antecessor, Michel Temer, e convidou religiosos, empresários e militares simpáticos ao seu governo.

A área reservada a autoridades foi reforçada pelos apoiadores do presidente. Além dos empresários da comunicação, foram convidados pelo Palácio do Planalto estavam presentes Luciano Hang, da Havan, o núncio apostólico no Brasil, dom Giovanni D’Anielo, e o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, não compareceram. Maia viajou para o Catar e Toffoli, para a Inglaterra. Neste ano, a segurança foi reforçada. Havia barreiras impedindo o acesso de pessoas sem convites ao prédio do Ministério da Defesa. *Folhapress