Justiça do Rio nega relaxamento da prisão de acusado da morte de Marielle Franco

/ Justiça

Ex-policial militar Élcio Queiroz é acusado. Foto: Estadão

A Justiça do Rio de Janeiro negou o pedido de relaxamento da prisão do ex-policial militar Élcio Queiroz, um dos acusados de participação na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, crime ocorrido no dia 14 de março do ano passado, no bairro do Estácio. O pedido de habeas corpus foi negado pelo juízo da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça.

O autor dos disparos é exímio atirador, segundo a perícia técnica, porque, com os dois carros em movimento, conseguiu atingir 4 tiros na cabeça da vereadora. De acordo com a Divisão de Homicídios da capital, Elcio é quem dirigia o carro Cobalt usado no crime. Ele saiu de casa, em Engenho de Dentro, na zona norte, e rumou em seu carro para a Barra da Tijuca, cruzando a Linha Amarela.

As câmeras de segurança flagraram Élcio chegando na Barra, local de onde partiu o carro rumo à Rua dos Inválidos, na Lapa A vereadora participava de uma palestra na Casa das Pretas. Depois do encontro, Marielle e o motorista Anderson iam para a Tijuca, residência da parlamentar, quando ocorreu a emboscada no meio do trajeto.

De acordo com as investigações, os disparos teriam sido feitos pelo sargento reformado da PM Ronnie Lessa, que também está com a prisão preventiva decretada. Os dois estão à disposição da Justiça, no presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. A primeira audiência de instrução do processo será realizada por videoconferência, em junho.

Bolsonaro é um ”valentão” que não aguenta uma briga e foge, afirma prefeito de Nova York

/ Política

O democrata Bill de Blasio disparou contra Jair. Foto: Reprodução

O prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, chamou neste sábado (4) o presidente Jair Bolsonaro de ”valentão” que não aguenta uma briga e disse que o brasileiro fugiu ao cancelar sua viagem para a cidade americana.

Bolsonaro iria para Nova York para ser homenageado no dia 14 de maio com o prêmio de “Pessoa do Ano” em jantar de gala promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. Na sexta (3), porém, o governo brasileiro anunciou o cancelamento da viagem e culpou De Blasio por isso.

“Jair Bolsonaro aprendeu da maneira mais difícil que os nova-iorquinos não fecham os olhos para a opressão. Nós chamamos atenção para sua intolerância. Ele fugiu. Nenhuma surpresa –valentões não aguentam um soco. Já vai tarde, Jair Bolsonaro. Seu ódio não é bem-vindo aqui”, escreveu o democrata em uma rede social.

”Os ataques de Jair Bolsonaro contra dos direitos LGBTQ e seus planos destrutivos para nosso planeta se refletem em muitos líderes –incluindo diversos em nosso país. TODOS devem se levantar para denunciar e lutar contra esse ódio desmedido”, completou De Blasio, um conhecido crítico do presidente americano Donald Trump. Com informações do Bahia Notícias