Prefeitura de Amargosa anuncia parte da grade do ”São João” 2019 e confirma Marília Mendonça

Prefeitura informa que outras atrações serão anunciadas. Foto: PMA

No clima de maior expectativa para o São João, que este ano contará com 6 dias de festa, a Prefeitura de Amargosa acaba de divulgar parte da grade que vai passar pelo palco principal do evento.

Dentre os artistas confirmados estão nomes de sucesso nacional como Aviões, Geraldo Azevedo, Dorgival Dantas e Targino Gondim. Além da grande musa do sertanejo universitário, Marília Mendonça, que desde o início deste ano figura como a 35a. artista mais vista no YouTube, ultrapassando Lady Gaga em número de views.

Segundo o prefeito Júlio Pinheiro, a grade está pronta e será divulgada integralmente nos próximos dias. ”Todas as atrações são pensadas de forma a agradar os públicos de todas as idades e também para valorizar a tradição do São João de Amargosa, que tem como objetivo manter o amor pelo forró”, Pontuou o prefeito.

A partir desta segunda-feira (15), as demais atrações começarão a ser informadas e a expectativa é de que o público do São João de Amargosa 2019 ultrapasse o dos anos anteriores, conforme aponta o gestor do município.

Educação: Para professor belga, ensino ”domiciliar” acolhe desejos de estudantes

/ Educação

O acadêmico belga Jan De Groof, um dos principais estudiosos do ensino domiciliar, argumenta que essa modalidade educacional tem valor porque ”faz as perguntas corretas”. Em palestra realizada em Brasília ontem (13), a convite do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), ele disse que a sociedade deve levar em conta não só os sistemas que são oferecidos pelas escolas e pelo governo, mas também as vias alternativas escolhidas por pais que os contestam.

Entre as preocupações de De Groof evidenciadas no evento estão os discursos ideológicos que podem ser difundidos a partir do ambiente escolar tradicional. Em sua fala, o professor catedrático, que foi conselheiro da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) na área de direito à educação, sublinhou que acredita ser necessária a preservação da autonomia de pensamento, uma vez que a educação pode ser definida como ”a transmissão de crenças, valores e cultura”.

Para ele, o papel do Estado no tocante à educação, é claro: ”O Estado deve regulamentar [a educação] e estabelecer padrões mínimos.” A Constituição da Bélgica, destacou, considera direito básico dos cidadãos o acesso à educação, mas não torna obrigatória a assiduidade nas escolas. Ele esclareceu ainda que o homeschooling, como é também chamada a educação domiciliar, dá ênfase ao acolhimento dos desejos dos estudantes, abrindo a possibilidade, inclusive, de escuta daqueles que se desanimam com a ida à escola por sofrer bullying. Na avaliação do professor, os setores da sociedade são corresponsáveis pela educação. Ele também defende que o direito à educação é o segundo mais essencial, ficando atrás somente do direito à vida.

”Há uma corresponsabilidade entre os pais, a família, a escola, o educador, a sociedade e o Estado. Precisamos nos manter céticos quanto à influência do Estado sobre a mente da criança”, afirmou. A rede de colégios do país europeu é, segundo o pesquisador, majoritariamente formada por instituições não governamentais. Ao todo, calcula ele, 75% delas têm essa característica, sendo muitas delas católicas, judaicas e protestantes. O perfil se aproxima com o que existe na Holanda, segundo o estudioso.

Exigências

Durante a palestra, o acadêmico também comentou que, na Bélgica, são exigidos dos pais ou responsáveis que aderem ao ensino domiciliar um cadastro formal, a apresentação de um plano pedagógico, com detalhamento das metas de aprendizado, e a aprovação do aluno por meio de provas. Essas mesmas etapas estão citadas no projeto de lei elaborado pelo governo brasileiro e que deverá ser aprovado pelo Congresso Nacional para passar a ter validade. A regulamentação do homeschooling consta das 35 metas prioritárias dos 100 primeiros dias do governo Jair Bolsonaro.

Entendimento do STF

No ano passado o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu não reconhecer essa modalidade de ensino, por entender que não há no país uma lei que autorize a medida. Durante a discussão no STF, manifestaram-se contrárias ao homeschooling a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República, que argumentou que a modalidade ”não encontra fundamento próprio na Constituição Federal”.

Demanda

A demanda por regulamentação do ensino domiciliar foi levada ao governo pela Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned). O último levantamento da associação, de 2018, mostra que 7,5 mil famílias educam os filhos em casa – número que representa mais que o dobro das 3,2 mil famílias identificadas em 2016. A estimativa é de que 15 mil crianças recebam, hoje em dia, educação domiciliar, em todo o país. Ao divulgar a ideia de editar uma MP, o governo federal informou que a expectativa era de que o quantitativo de famílias saltasse para 31 mil. Da Agência Brasil

Delegado Chefe da Polícia Civil retorna a delegada Ana Beatriz para a 9ª Coorpin Jequié

/ Polícia

Ana Beatriz de França Bomfim

Através da Portaria 241, datada de 12/3/2019, publicada no Diário Oficial do Estado-DOE, deste sábado (13), o delegado-geral da Polícia Civil da Bahia, Bernardino Brito Filho, tornou sem efeito a Portaria 621/2014, removendo a delegada da Ana Beatriz de França Bomfim, da Delegacia Territorial de Barra do Rocha, determinando que ela passe a desenvolver as suas atividades profissionais, a partir desta data na Delegacia Territorial de Jequié-DT, âmbito da 9ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior-9ª Coorpin.

Relembre – Em 8 de março de 2013, a delegada Ana Beatriz foi transferida da 9ª Coorpin de Jequié para a 7ª Coorpin de Ilhéus.  De acordo comentários da época, a delegada divergia do então diretor regional da 9ª Coorpin, André Aragão Lima. Com a nomeação de André Aragão, para a coordenadoria em Ilhéus, a delegada foi removida da DT daquela regional, retornando a Jequié.

Na edição do Diário Oficial de (29/10/2914), quando já exercia a titularidade da 9ª Coorpin, o delegado Fabiano Aurich, foi publicada outra Portaria, exonerando a delegada Ana Beatriz, mais uma vez da coordenadoria em Jequié. Ainda de acordo com informações à época, divergências de relacionamento profissional entre os dois delegados teriam resultado na nova mudança. A delegada Ana Beatriz, que dentre outras unidades da PC, já esteve nas DTs de Itiruçu, Iramaia, Ipiaú, Jequié, Ilhéus e, atualmente Barra do Rocha,  revelou na ocasião da sua segunda remoção de Jequié, que estaria buscando a intervenção do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia-Sindipoc, para tentar reverter a mudança.  Agora, a partir da decisão do comando da Polícia Civil da Bahia, a  delegada  está de volta às suas funções em Jequié, na 9ª Coorpin, unidade que permanece comandada pelo delegado Fabiano Aurich. *Por Wilson Novaes

Polícia Militar encontra homem transportando 50 kg de maconha, entre Jaguaquara e Itaquara

Maconha era transportada em mochilas, diz polícia. Foto: Divulgação

Guarnições da Polícia Militar apreenderam, na noite de sexta-feira (12), aproximadamente 50 kg de maconha in natura, no Vale do Jiquiriçá. Um homem identificado como Mário de Santa Cruz, 52 anos, foi flagrado tentando levar parte da droga dentro de mochilas, conforme informações policiais.

Ainda de acordo com a polícia, o caso começou com uma denúncia anônima sobre transporte de drogas entre as cidades de Jaguaquara e Itaquara, via BR-420. Militares da 3ª CIA do 19° BPM foram informados e alcançaram Mário com uma mochila cheia de maconha fazendo o trajeto entre os municípios.

Após conversa inicial, o suspeito contou que pegava os entorpecentes na localidade da Piabinha, zona rural, em Jaguaquara. O imóvel usado para guardar os cerca de 50 kg de maconha in natura estava vazio. Buscas foram realizadas no entorno, mas comparsas de Mário não foram encontrados. Na casa os PMs acharam ainda uma espingarda. A Polícia Civil investiga se a maconha é plantada na região e busca identificar os outros integrantes da quadrilha.

 

Petrobras perde R$ 32 bilhões em valor de mercado após interferência do presidente Jair Bolsonaro

/ Economia

A Petrobras perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado após o presidente Jair Bolsonaro impedir o aumento do diesel previsto para esta sexta-feira (12). Temeroso com uma eventual nova paralisação dos caminhoneiros, Bolsonaro ordenou ao presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que revogasse horas depois de a medida ser divulgada, ainda na quinta (11). A interferência do governo assustou o mercado, que colocou nos preços das ações o receio de que intervenções se tornem a regra, e não a exceção. O reajuste anunciado era de 5,7%. As ações cederam ao redor 8%. Os papéis preferenciais (mais negociados) recuaram a R$ 25,83, enquanto os ordinários (com direito a voto) fecharam a 29,13. Os recibos de ações da estatal negociados em Nova York tiveram perdas acima de 9%.

É a maior queda percentual da companhia desde 1º de junho de 2018, quando Pedro Parente renunciou ao cargo de presidente da estatal, em meio à pressão para mudança na regra de reajuste dos combustíveis, por pressão do governo. O tombo da Petrobras levou a Bolsa brasileira de arrasto, apesar do dia positivo no exterior: o Ibovespa, principal índice acionário do país, recuou 1,98%, a 92.875 pontos, no menor nível desde 27 de março, quando a preocupação era a reforma da Previdência.

O giro financeiro foi de R$ 21 bilhões, o que reflete a liquidação que os investidores fizeram após a notícia negativa. A média diária de negociação neste ano ronda os R$ 16 bilhões. O banco BTG Pactual classificou a intervenção de Bolsonaro na Petrobras como um déjà vu, uma lembrança amarga dos congelamentos de preços de combustíveis da gestão de Dilma Rousseff (PT), que colocaram a companhia em crise financeira. BTG citou, porém, que a medida pode ser uma forma de conter uma eventual nova paralisação de caminhoneiros. ”Então ficamos com um dilema. Enquanto as consequências de uma nova greve provavelmente seriam muito negativas para a agenda de crescimento do país (incluindo reformas) e inclusive para a Petrobras, a percepção de que a companhia está exposta a influências políticas, mesmo sob uma agenda [governo] liberal, coloca em risco o seu pilar central de processo de redução de riscos”, disse o BTG.

Por enquanto, o preço do diesel permanece congelado, o que representa uma perda de R$ 14 milhões por dia a Petrobras. Depois da política de ajustes diários, iniciada pelo governo Michel Temer (MDB) , que culminou na paralisação dos caminhoneiros de 2018, o método de cálculo começou a ser flexibilizado. Quando Pedro Parente assumiu a empresa, sob Temer, foi implantada a política atual de reajuste de preços. Ela leva em consideração a cotação internacional do petróleo, o câmbio, o custo de importação do combustível e sobre esse valor é aplicada a margem de lucro da empresa. Deixa de ser considerado o custo de produção da Petrobras.

Quando os preços do petróleo cederam, no último trimestre do ano passado, a pressão de caminhoneiros cedeu. Neste começo de ano, porém, eles voltaram a subir e agora rondam os US$ 70 por barril (do tipo brent, a referência internacional). É o mesmo patamar em que estava o combustível quando estourou o protesto dos caminhoneiros do ano passado. Com a carestia dos combustíveis, os rumores de uma paralisação recomeçaram e não cessaram mesmo após o anúncio de ajustes mais espaçados e de um cartão de abastecimento a preços fixos. A divulgação na tarde de quinta de um reajuste maior que a inflação esquentou os ânimos. Com receio a uma nova greve, Bolsonaro telefonou a Castello Branco e, horas depois, o aumento estava cancelado.

Apesar do tombo nas ações, o mercado tentou buscar justificativas, com medo do impacto de uma nova paralisação de caminhoneiros sobre a já cambaleante economia do país. Nesta sexta, o Itaú cortou a previsão de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 1,3%. Não pouparam críticas, porém, à intervenção. ”Está faltando uma mensagem mais enfática de que não vai durar. Uma greve dos caminhoneiros agora deixaria o governo natimorto, o apoio popular iria a zero”, afirma Victor Candido, economista-chefe da Guide. ”O modelo de preços tem que ser feito pelo presidente da empresa ou pelo economista-chefe e não pelo o presidente do país. O governo prega que as empresas devem ser independentes mas têm atuação direta do presidente. Isso é militarismo? Mão de ferro?”, diz Marco Tulli Siqueira, gestor de operações da Coinvalores. ”Se estas intervenções continuarem, a equipe econômica sai do governo. Conheço alguns membros pessoalmente e sei que eles saem. Não vão jogar a toalha, sabem que não é fácil, mas cristal trincado não canta mais. O Bolsonaro não tem que intervir em preços”, acrescentou Siqueira.

Para Carlos de Freitas, economista-chefe da Ativa Investimentos, a interferência do governo deve ser apenas pontual. ”É muito mais uma sinalização de curto prazo para os caminhoneiros do que uma mudança na postura do governo. Não acredito que essa interferência abra margem para outras. Foi uma decisão tomada para escolher o cenário menos pior”. Foi a mudança na política de preços para atender caminhoneiros que fez com que Pedro Parente se demitisse, em junho do ano passado. Além de repetir que não entende de economia, Bolsonaro afirmou nesta sexta que quer ver detalhes de como é calculado o reajuste dos combustíveis e qual o custo de produção da Petrobras. ”Onde é que nós refinamos, a que preço, a que custo, eu quero o custo final”, afirmou a jornalistas em evento em Macapá.

Presidente do Corinthians ameaça não jogar final se ônibus do time for apedrejado no Morumbi

/ Esporte

Presidente do time do Corinthians, André Sanches. Foto: Uol

Neste domingo (14), São Paulo e Corinthians iniciam a disputa do título do Paulistão no Morumbi. Anates de a bola rolar na partida de ida, uma polêmica já toma conta dos bastidores do clássico. Em entrevista coletiva, o presidente do Timão, Andrés Sanchez, ameaçou não entrar em campo. Segundo o dirigente, toda vez que enfrenta o Tricolor no estádio, o ônibus da equipe é apedrejado.

”Primeiro que todas as vezes que vamos jogar lá é apedrejado o ônibus. Algumas vezes quebrou o vidro, outras não quebraram. A qualquer momento pode atingir alguém e machucar. Sempre fomos muito bem tratados no Morumbi. Nunca teve problema nenhum. O problema é a chegada, que tem alguns imbecis que fazem isso. Desta vez, se jogarem pedra e quebrar o vidro, realmente não vamos jogar”, disse.

Sobre o esquema de segurança, Sanchez elogiou a Polícia Militar, mas afirmou que vândalos conseguem furar o bloqueio. ”A polícia sempre deu a maior segurança possível, mas algumas coisas fogem do controle. Tem que acabar isso. É um absurdo, toda vez acontece isso”, completou.

Dayane Pimentel e assessores são assaltados dentro de igreja em Feira de Santana

/ Bahia

”Apesar do susto, estamos bem”, disse ela. Foto: Divulgação

A deputada federal Dayane Pimentel (PSL) foi assaltada dentro da Arquidiocese de Feira de Santana,  na tarde da sexta-feira (12). A parlamentar foi abordada quando conversava com o arcebispo na igreja.

Dayane usou o Instagram para falar sobre a situação: ”Dispensei os seguranças da reunião por achar que dentro de um recinto religioso eu não precisaria. Enganei-me. O delinquente adentrou a área como se fosse um ”cristão” comum e levou alguns de nossos pertences. Apesar do susto, estamos bem”, escreveu a deputada.

Na publicação, a presidente do PSL falou sobre a oposição. ”Enquanto a esquerda comemora (como pude observar em alguns sites que publicaram a notícia), eu me concentro ainda mais na luta a favor da força policial e contra os Direitos Humanos que protegem bandidos”, disse. Ainda conforme a parlamentar, o caso foi registrado da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos da cidade.

MPF aciona prefeito de Guanambi e mais cinco por improbabilidade em contrato de R$ 4 milhões

/ Justiça

Prefeito de Guanambi, Jairo Silva Magalhães. Foto: Reprodução

Vontade livre e consciente dos gestores de Guanambi (BA) de continuarem a desviar dinheiro público por meio de contratos de transporte escolar. Está é uma das conclusões da investigação do Ministério Público Federal (MPF) que resultou na ação de improbidade administrativa movida em 8 de abril, contra o prefeito de Guanambi, Jairo Silva Magalhães, a secretária de Educação, Maristela Cavalcante, o pregoeiro, Anderson Ribeiro dos Santos, a empresa Sol Dourado Serviços de Transportes Rodoviários Eireli, seu sócio, Renato Ferreira da Silva, e representante William Barros de Souza.

Em liminar assinada nesta sexta-feira, 12 de abril, a Justiça Federal fixou prazos e multa para que a prefeitura apure as faltas contratuais e, junto com a empresa, adotem as medidas necessárias para que o transporte escolar seja prestado de forma segura, regular e adequada.

De acordo com as investigações, a licitação para o transporte escolar no município, que firmou contrato no valor de R$ 4 milhões, foi direcionada e fraudada, e a continuidade da prestação dos serviços põe em risco a vida de crianças entre 5 e 15 anos de idade, que estão circulando em veículos abertos do tipo ”pau de arara” ou em ônibus velhos, enferrujados e sem cinto ou outros itens de segurança.