Neto sai em defesa de Kannário, faz comparação com Ivete e dispara: ”Qual o problema? Pelo Amor de Deus”

/ Entrevista

Kannário teria puxado trio em nome de facção. Foto: BNews

O prefeito ACM Neto (DEM), em coletiva realizada na manhã deste sábado (2), saiu em defesa do cantor e deputado federal Igor Kannário, que se envolveu em uma polêmica neste Carnaval.  O artista desfilou fantasiado de policial militar. No entanto, o brasão no braço do parlamentar estava escrito o nome “Comando da Paz”. Comando da Paz, conhecida como CP, é uma facção criminosa que atua, principalmente, na Região Metropolitana de Salvador. Por conta disso, o deputado estadual Capitão Alden (PSL) declarou que acionará o Ministério Público (MP) contra Kannário (DEM). Alden afirma que Kannário se apresentou nesta sexta-feira (1º), em um trio sem cordas na Barra, com o nome de uma facção criminosa estampado no braço.  “Qual é o problema do deputado Igor Kannário que não estava no trio elétrico como deputado. O deputado fica no Congresso Nacional. Ele estava lácomo cantor e qual o problema que tem o cantor Igor Kannário desfilar com uma fantasia que homenageia a polícia, ele me contou isso antes. Ele conversou comigo isso e me disse: ‘Olha Neto, eu quero levar uma mensagem de paz. Quero levar uma mensagem de ter tranquilidade nas ruas e quero fazer uma homenagem à Polícia’. Qual é o problema?”, afirmou Neto. O prefeito, na oportunidade, ainda comparou a situação caso a artista tivesse sido Ivete Sangalo. “Se Ivete Sangalo saísse fantasiada de Polícia alguém ia fazer o questionamento que estão fazendo de Kannário? Pelo amor de Deus. No passado diziam que ele incitava a violência. Agora, o cara vaiu lá e faz tudo certo , levam uma mensagem de paz e é criticado. Me perdoem. Não vou entrar nesta polêmica. Não sou advogado de defesa de Igor Kannário”, disparou.

Após viagem a São Bernardo do Campo, para enterro do neto de Lula, Rui cancela agenda de Carnaval

/ Bahia

Rui Costa se encontra com Lula em velório. Foto: Reprodução
A Secretaria de Comunicação (Secom) do Governo do Estado informa que o governador Rui Costa cancelou todos os compromissos programados para este sábado (2) de Carnaval em Salvador. Rui foi a São Bernardo do Campo, na manhã de hoje, para o velório do neto do ex-presidente Lula, Arthur Araújo, de 7 anos.

Desembargador diz que busca e apreensão ‘invade privacidade’ do advogado de Adélio, o esfaqueador de Bolsonaro

/ Justiça

Ao suspender a análise dos materiais apreendidos no escritório de advocacia responsável pela defesa de Adélio Bispo de Oliveira, o esfaqueador do presidente Jair Bolsonaro, o desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1), afirmou que houve violação do sigilo funcional dos defensores. A decisão acolheu pedido do Conselho Federal Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Em 21 de dezembro, a PF fez buscas no escritório do advogado Zanone Manuel de Oliveira, em Juiz de Faro (MG), no âmbito de inquérito que apura se há mandantes do atentado contra o presidente. O objetivo da ação, segundo a PF, foi descobrir quem pagou os honorários do advogado. Adélio foi preso na tarde de 6 de setembro, logo depois de esfaquear o então candidato à Presidência, que fazia campanha no centro de Juiz de Fora. Bolsonaro teve de ser internado e passou por duas cirurgias. O esfaqueador foi denunciado criminalmente em outubro pelo Ministério Público Federal, por violação ao artigo 20 da Lei de Segurança Nacional pela prática de ‘atentado pessoal por inconformismo político’. Para o desembargador, ‘as representações estão motivadas em suposta prática de crime cometido pelo financiador da defesa técnica de Adélio – cuja identidade se busca revelar – e não pelo advogado, no exercício de sua profissão igualmente não justifica a medida invasiva perpetrada, pois a posição do mencionado ‘financiador’ da defesa confunde-se com a do cliente na medida em que ao proceder ao pagamento dos honorários, a princípio, o ‘financiador’ poder manifestar interesse comum com a do próprio cliente do advogado’. “A vingar, pois, a tese de que partiu a autoridade policial para requerer o levantamento do sigilo do profissional, no sentido de que o financiador dos honorários poderia ser uma organização criminosa copartícipe do crime eventualmente cometido pelo cliente do advogado, nessa específica situação, obviamente, não há dúvida, o que se estaria a fazer é investigando o crime e seus possíveis autores por intermédio do advogado”, escreveu. O desembargador ainda afirma que a ‘finalidade expressamente revelada na medida judicial sob consideração, obviamente, viola em todos os sentidos as salvaguardas e razão de ser do sigilo funcional do advogado’. Estadão

Normas da Alerj não permitem contratações extraoficiais alegadas por Fabrício Queiroz

/ Justiça

Fabrício Queiroz é investigado pelo MP. Foto: Reprodução

A justificativa apresentada ao Ministério Público do Rio pelo ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz, na quinta-feira (28), contradiz normas da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para contratações de servidores. No documento protocolado por sua defesa, Queiroz alegou que os depósitos feitos por funcionários do gabinete de Flávio em sua conta seriam uma forma de aumentar uma rede de colaboradores informais do então deputado. No entanto, a Alerj informou em nota que não é permitida a contratação de nenhum funcionário sem sua nomeação, que deve ser publicada no Diário Oficial do Legislativo. A Assembleia afirmou também que, para qualquer nomeação em gabinete, é exigida a apresentação de documentos para formalização do vínculo. “Estas nomeações são solicitadas pelos deputados e publicadas no Diário Oficial pela Mesa Diretora”, informou. Cada parlamentar da Alerj tem direito a 20 cargos em seu gabinete, que podem ser desmembrados, de forma oficial, em até 40 postos de menor remuneração.

Brejões: Polícia diz que homem que invadiu hospital sofreu surto e usava simulacro de fuzil

/ Polícia

Com simulacro, homem causou pânico. Foto: Blog Marcos Frahm

A Polícia Militar emitiu nota através da 3ª Cia informando sobre a invasão ao Hospital Municipal de Brejões, nesta sexta-feira (1). Um homem enfurecido teria causado pânico na cidade ao invadir a unidade hospitalar, ameaçando os funcionários com arma em punho. De acordo com a PM ao Blog Marcos Frahm, a guarnição esteve no local e, para preservar a integridade física da equipe, foi adotado um posicionamento de segurança e tentativa de negociação com o suspeito, que depois de um longo período foi convencido a entregar a arma. Ainda conforme a PM, após aproximação da guarnição foi constatado que tratava-se de um simulacro de fuzil utilizado pelo homem de 30, que é morador de Brejões e foi identificado como Ewerton José da Silva Santos. Ele teria sofrido surto psicótico, segundo a polícia e foi conduzido por policiais para ser submetido à medicação em um leito do hospital. O simulacro apreendido foi apresentado na Delegacia Territorial de Brejões. O clima foi de tensão na cidade em razão do ocorrido.

Operação Carnaval 2019: Polícia Rodoviária Federal apreende cocaína na BR 116, em Jequié

/ Jequié

Droga foi apreendida em um carro Peugeot. Foto: Divulgação/PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreende, nesta sexta-feira (1), aproximadamente 4,300kg de substância com características semelhantes à cocaína, embaladas em tabletes, que estavam escondidos em um compartimento nas laterais do veículo I/PEUGEOT 307. O flagrante ocorreu durante fiscalização da PRF de combate a criminalidade no KM 677 BR 116, em Jequié. Inicialmente foi dada ordem de parada ao veículo, sendo realizado pelos agentes os procedimentos de abordagem. Durante a entrevista ao motorista, um homem de 31 anos, percebeu-se certo nervosismo e contradições. Em seguida foi realizada vistoria minuciosa no automóvel, foi quando os policiais encontraram os tabletes que estavam escondidos em um nicho nas duas laterais do carro. Ao ser questionado, o homem informou que recebeu o carro e a droga em São Paulo (SP), recebendo a quantia de 4.000 mil reais pelo transporte. O destino do entorpecente seria a cidade alagoana de Arapiraca. Diante dos fatos, o detido foi levado com o produto apreendido para a Delegacia de Polícia Civil em Jequié e apresentado à autoridade policial.

Concurso da Mega-Sena vai sortear neste sábado prêmio acumulado de R$ 73 milhões

/ Esporte

O concurso 2130 da Mega-Sena vai sortear neste sábado (2) o prêmio acumulado de R$ 73 milhões . O sorteio será realizado, a partir das 20h (horário de Brasília), no Caminhão da Sorte, que está estacionado na Avenida Manoel Roque, na cidade de Videira, em Santa Catarina. Este é o terceiro concurso da Mega Semana de Carnaval. Já foram realizados sorteios na terça (26) e quinta-feira (28). De acordo com a Caixa, o valor do prêmio principal, caso investido na poupança, poderia render mais de R$ 271 mil por mês. As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer loja lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 3,50.

Trio Respeita as Mina destaca combate à violência contra as mulheres durante o Carnaval de Salvador

/ Bahia

Anitta puxou o Trio Respeita As Mina. Foto: Mateus Pereira/Secom

No segundo dia oficial da folia baiana, o Trio Respeita As Mina abriu a programação do circuito Dodô (Barra), na tarde desta sexta-feira (1). A atração faz parte de iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM). O objetivo é difundir a importância do respeito às mulheres e promover ações de combate ao assédio durante a folia. O ”Respeita as Mina” foi puxado este ano pelas cantoras Larissa Luz, Luedji Luna e Xênia França. “É muito importante trazer essa mensagem de respeito às mulheres para o Carnaval. Só conseguimos criminalizar a importunação sexual agora, e ações como essa que envolvem artistas motivam e fazem com que essas conquistam se fortaleçam”, destacou Larissa Luz. Este foi o terceiro ano que o trio foi para as ruas da capital. SegundoDe acordo com a secretária estadual de Políticas para as Mulheres (SPM), Julieta Palmeira, é possível conciliar a festa com o respeito. ”O Governo do Estado entende que nós precisamos fazer essa campanha de sensibilização como forma de enfrentamento à violência contra as mulheres. Há uma preocupação conjunta da Secretaria de registrar as queixas de crimes de importunação sexual e punir quem estiver cometendo esse crime no Carnaval. É preciso revisar essa cultura da violência”, ressaltou. Durante os dias de folia, uma unidade móvel da SPM, estacionada na Avenida Adhemar de Barros, oferece atendimento para mulheres que sofrerem algum tipo de violência nos circuitos da festa. O trabalho é realizado em parceria com o Hospital da Mulher e, quando necessário, as vítimas são encaminhadas diretamente para a unidade. O serviço de acolhimento funciona das 10h às 23h e conta com psicólogo, advogado e assistente social.

Capitão Alden levará caso de Kannário a Conselho de Ética da Câmara; cantor puxou trio em nome de facção

/ Entrevista

Capitão Alden (PSL) reage contra Kannário. Foto: Reprodução

O deputado estadual Capitão Alden (PSL) afirmou que acionará o Ministério Público contra o cantor e deputado federal Igor Kannário, que nesta sexta-feira (1º) puxou um trio na Barra com o nome de uma facção criminosa estampado no braço. Além disso, em vídeo publicado em suas redes sociais, Alden garantiu que levará o caso ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados de modo que Kannário seja julgado. ”Em flagrante à apologia ao crime, se definiu como comandante do Comando da Paz. Acionarei o Ministério público e encaminharei à Câmara dos Deputados uma denúncia para que o Conselho de Ética julgue a sua conduta desafiadora da moral e bons costumes. É lamentável essa situação, uma vergonha para o povo baiano ter um representante desse nível em Brasília”, disse. Em entrevista à TV Bahia, no entanto, Kannário atribuiu o termo “comando da paz” a uma homenagem à Polícia Militar. ”Homenageando toda a corporação [da PM], ao comandante Ancelmo Brandão e a toda Polícia Militar”, disse.

Saúde: Meningite é doença agressiva e pode deixar sequelas e é letal em 20% dos casos

/ Saúde

A notícia do falecimento nesta sexta-feira (1), do neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Arthur Araújo Lula da Silva, de sete anos, voltou a atenção para uma doença silenciosa e agressiva, que pode ser evitada através da vacinação. Causada por vírus, bactérias ou outros agentes infecciosos, a meningite é uma doença grave que pode deixar sequelas, como danos neurológicos, e até levar à morte. A forma bacteriana é a que costuma resultar em mais complicações para os pacientes. No Brasil, o tipo mais comum é o C, cuja vacina é oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Entre as bactérias, o meningococo é a causa número um de meningite bacteriana no País. É a que tem com maior frequência. A letalidade da doença é de 20% e ela é muito agressiva. Em poucas horas, a pessoa vai do estado normal para a morte. É uma doença imprevisível”, explica Marco Aurélio Sáfadi, professor de infectologia da faculdade de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. A doença é transmitida pelo ar e causa inflamação nas meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Entre os sintomas, estão febre, mal-estar, dor de cabeça e rigidez no pescoço. Segundo Sáfadi, que também é presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, no caso de meningite bacteriana, o tratamento é feito com antibióticos e pacientes que sobrevivem podem ter sequelas. “Normalmente, eles têm sequelas neurológicas, cegueira, surdez e perda de membros por necrose. As complicações atingem de 10% a 20% dos pacientes que sobrevivem.”

Justificativa apresentada por Queiroz para contratar servidores contradiz normas da Alerj

/ Justiça

Justificativa de Queiroz contradiz normas. Foto: Reprodução

A justificativa apresentada ao Ministério Público do Rio pelo ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL) Fabrício Queiroz, na quinta-feira (28), contradiz normas da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para contratações de servidores. No documento protocolado por sua defesa, Queiroz alegou que os depósitos feitos por funcionários do gabinete de Flávio em sua conta seriam uma forma de aumentar uma rede de colaboradores informais do então deputado. Porém, a Alerj informou, em nota, que não é permitida a contratação de nenhum funcionário sem sua nomeação, que deve ser publicada no Diário Oficial do Legislativo. A Assembleia afirmou também que, para qualquer nomeação em gabinete, é exigida a apresentação de documentos para formalização do vínculo. “Estas nomeações são solicitadas pelos deputados e publicadas no Diário Oficial pela Mesa Diretora”, informou. Cada parlamentar da Alerj tem direito a 20 cargos em seu gabinete, que podem ser desmembrados, de forma oficial, em até 40 postos de menor remuneração. O limite até o fim de janeiro era ainda maior: 63 cargos. Queiroz argumentou que fazia um “gerenciamento financeiro” de valores recebidos pelos demais servidores para gerir rede de colaboradores informais de sua confiança. Ou seja, recolhia os salários e os redividia, por um número maior de contratados – sem passar pela estrutura da Casa. Por esse método informal de Queiroz, os funcionários não teriam direito a benefícios fornecidos pela Casa como o auxílio de R$ 1.193,36 para filhos em idade escolar. Os gabinetes também contam com até 28 auxílios alimentação para servidores, no valor de R$ 60 por dia útil. Os contratados informalmente também não os receberiam, o que torna ainda mais difícil de compreender a versão. A versão foi apresentada por Queiroz ao Ministério Público do Rio no último dia 28 e revelada pelo Estado. Essa é a primeira manifestação formal do investigado, quase três meses após o ex-assessor faltar ao primeiro convite para depor – ao todo, ele não atendeu a quatro chamados do MP. O ex-funcionário deixou o Rio para ser operado de um câncer no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde agora mora para prosseguir com o tratamento. Queiroz está sob investigação desde o ano passado, quando um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), feito na Operação Furna da Onça, sobre corrupção na Alerj, detectou as movimentações atípicas nas contas de assessores de 22 deputados e ex-deputados – um deles era ele, que movimentou R$ 1,2 milhão em 13 meses. Promotores suspeitam que Queiroz coordenava um esquema de “rachadinha” – repasse de parte dos salários dos assessores ao parlamentar, o que é ilegal. Queiroz argumentou em sua defesa que jamais se beneficiou de qualquer recurso público “para si ou para terceiro, uma vez que sempre buscou preservar a finalidade pública dos recursos oriundos da remuneração de assessores parlamentares que sempre por ajuste prévio livre e espontâneo foram postos sob sua administração”. Também disse que estes servidores eram modicamente remunerados por ele para atividades externas claras e firmemente alinhadas com a atividade-fim parlamentar. A tarefa, segundo Queiroz, era possível porque ele exercia uma função que se assemelhava à do chefe de gabinete, apesar de não ocupar oficialmente o cargo. Disse também que Flávio não sabia dessa combinação, porque “nunca reputou necessário expor a arquitetura interna do mecanismo que criou ao próprio deputado e ao chefe de gabinete”. Com informações do Estadão